País

Um dos dois feridos do acidente de comboio em Soure hospitalizados evolui favoravelmente

PAULO CUNHA

O maquinista continua internado na Unidade de Medicina Intensiva, com prognóstico reservado, mas estável.

Um dos dois feridos do acidente de comboio em Soure que continuam internados nos Hospitais da Universidade de Coimbra está a evoluir favoravelmente, disse à agência Lusa fonte hospitalar.

Trata-se de uma mulher que se encontra internada em cirurgia, adiantou o gabinete de relações públicas do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

O maquinista do Alfa Pendular que na sexta-feira chocou com uma máquina que circulava na Linha do Norte continua internado na Unidade de Medicina Intensiva, com prognóstico reservado, mas "estável", depois de, na quarta-feira, ter registado "melhorias que eram expectáveis".

Também na quarta-feira, teve alta médica uma mulher que se encontrava internada em cirurgia e que era a ferida menos grave dos três internados logo após o acidente ferroviário.

2 mortos, 8 feridos graves e 36 feridos ligeiros

O descarrilamento do comboio Alfa Pendular, no concelho de Soure, distrito de Coimbra, com 212 passageiros, provocou na sexta-feira dois mortos, oito feridos graves e 36 feridos ligeiros.

Dos 44 feridos, quatro tiveram alta no local, 28 foram transportados para o CHUC, incluindo três crianças, e 12 foram assistidos no Hospital da Figueira da Foz.

Quase todos os feridos já tiveram alta hospitalar, à exceção dos dois que permanecem internados em Coimbra.

Embate contra uma máquina de manutenção da ferrovia

O comboio seguia no sentido sul-norte com destino a Braga e o descarrilamento ocorreu após o embate entre o Alfa Pendular e uma máquina de trabalho, perto da vila de Soure, junto à localidade de Matas.

Segundo uma nota informativa do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF), a que a agência Lusa teve acesso, o veículo de conservação de catenária, no qual seguiam duas pessoas - as duas vítimas mortais -, passou um sinal vermelho e entrou na Linha do Norte, tendo sido abalroado pelo comboio Alfa Pendular.

Veja também:

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado