País

Advogada de Rosa Grilo e antigo inspetor da PJ terão criado “nova cena do crime”

Para fazer crer que homicídio tinha sido praticado por terceiros.

A advogada de Rosa Grilo e um antigo inspetor da PJ foram acusados esta quinta-feira por uma alegada plantação de provas no caso do homicídio de Luís Grilo. O Ministério Público conclui que os dois arguidos enganaram as autoridades para que a mulher da vítima fosse absolvida em julgamento.

Na acusação, a que a SIC teve acesso, o Ministério Público diz que os dois arguidos organizaram uma nova cena do crime colocando, dentro de casa, dois fragmentos de projéteis e dois invólucros.

Agiram para fazer crer que o crime de homicídio pelo qual a mulher da vítima estava a ser julgada tinha sido na verdade praticado por terceiros.

O objetivo, segundo o MP, seria prolongar o julgamento para atingir o máximo de prisão preventiva, a libertação de Rosa Grilo e uma eventual absolvição.

A mulher acabou por ser condenada a 25 anos de prisão. A advogada e o antigo inspetor, que já cumpriu pena de cadeia por corrupção passiva e violação de segredo funcionário, são agora acusados de simulação de crime, detenção de arma proibida e favorecimento pessoal.

A acusação segue agora para a Ordem dos Advogados para a eventual abertura de um processo disciplinar.

Veja também:

  • Dez dicas para pais, alunos e escolas no regresso às aulas

    País

    O regresso à escola é sempre desafiante para pais, crianças e professores. Os novos começos não são fáceis e, por isso, às vezes é bom contar com ajuda. Reunimos dez dicas: cinco de um professor e cinco de uma psicóloga que podem ser usadas como um guia prático para quem quer entrar com o pé direito no novo ano letivo.

    Ana Luísa Monteiro