País

Há advogados a cobrar 6 mil euros por processos de legalização de imigrantes 

Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados tem profissionais disponíveis em serviço pro-bono.  

A Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados alerta para existência de profissionais a cobrarem 6 mil euros por processos de legalização de imigrantes.

Márcia Martinho da Rosa, da comissão, garante que a Ordem tem advogados disponíveis em serviço pro bono.

O Supremo Tribunal Administrativo deu razão à defesa dos proprietários do Zmar e suspendeu a requisição civil decretada pelo Governo para o alojamento turístico, em Odemira.

Em causa está a providência cautelar interposta em tribunal pelo advogado dos proprietários contra a requisição temporária do complexo pelo Governo, para alojar os imigrantes.

Na quinta-feira de madrugada, 21 pessoas foram transportadas para o empreendimento Zmar e 28 para a pousada de juventude. Em causa, segundo o município, está o processo de realojamento de pessoas que não estão obrigadas a um confinamento profilático, no contexto da pandemia de covid-19, nomeadamente dos trabalhadores de explorações agrícolas que vivem em situação de insalubridade.