País

Juiz aplica caução de cinco milhões de euros para libertação de Joe Berardo

ANTÓNIO COTRIM

Depois do Ministério Público ter deixado cair o pedido de prisão preventiva.

O juiz Carlos Alexandre decidiu esta sexta-feira aplicar uma caução de cinco milhões de euros para a libertação de Joe Berardo, depois de o Ministério Público ter deixado cair o pedido de prisão preventiva. Berardo poderá sair em liberdade já esta sexta-feira, tendo 20 dias para depositar o dinheiro ou apresentar garantias.

O empresário fica proibido de sair do país, sendo obrigado a entregar o passaporte, e fica também proibido de contactar com os restantes arguidos no processo.

Para o advogado André Luiz Gomes, a caução foi definida no valor de um milhão de euros e está proibido de contactar com Joe Berardo.

"Até pode ser a Santa Casa da Misericórdia" a pagar, diz advogado

O advogado de Joe Berardo garantiu que vão ser feitas todas as diligências para cumprir o que o juiz determinou, não esclarecendo como é que o empresário madeirense vai pagar os cinco milhões de caução.

Paulo Saragoça da Matta acrescentou que qualquer pessoa ou entidade pode fazer esse pagamento, e "até pode ser a Santa Casa da Misericórdia", disse aos jornalistas.

Joe Berardo foi detido na terça-feira no âmbito de uma investigação aos empréstimos ruinosos da Caixa Geral de Depósitos. Passou as últimas duas noites na prisão anexa à Polícia Judiciária.

Irmão e um dos filhos de Berardo contituídos arguidos

Além de Joe Berardo e do advogado André Luiz Gomes, há pelo menos mais uma dezena de arguidos no processo. A lista inclui o irmão e um dos filhos do empresário madeirense e ainda Carlos Santos Ferreira, suspeito de beneficiar Berardo enquanto presidente da Caixa Geral de Depósitos.

Estão ainda envolvidas seis sociedades ligadas ao comendador.

Segundo comunicados da PJ e do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), em causa no processo está um grupo "que entre 2006 e 2009 contratou quatro operações de financiamentos com a CGD, no valor de cerca de 439 milhões de euros" e que terá causado "um prejuízo de quase mil milhões de euros" à CGD, ao Novo Banco e ao BCP.

Joe Berardo terá montado um esquema para não pagar as dívidas aos bancos

O empresário, juntamente com o advogado André Luiz Gomes, também detido, terá posto em prática um plano de reestruturações e de manobras jurídicas para evitar o reembolso dos empréstimos concedidos pela Caixa, BCP e antigo BES.

A SIC sabe que a indiciação do Ministério Público regressa a 2004 e é a partir desse ano que o grupo Berardo passou a beneficiar de avultados financiamentos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos, antigo BES e BCP sem que, a partir de finais de 2008, houvesse uma intenção de reembolsar os bancos.

Muito pelo contrário, terão sido realizadas manobras jurídicas de forma a reestruturar esses mesmos financiamentos sem que tivesse sido avançado qualquer capital, e ainda com o objetivo de esvaziar os créditos das respetivas garantias.

A SIC sabe também que a indiciação refere que, embora a Coleção Berardo e outro património tenham sido dados com garantia para os financiamentos, o empresário, em colaboração com outros membros da família e elementos do grupo, realizou atos e negócios jurídicos com o objetivo de esvaziar essas mesmas garantias. E por isso terão passado para outras esferas do grupo, inutilizando as garantias dos bancos credores.

Os três bancos exigem quase mil milhões de euros. Berardo é acusado de vários crimes, incluindo oito de burla qualificada.