País

Como Joe Berardo evitou que os bancos ficassem com as obras de arte do CCB

Empresário celebrou dois contratos com o Estado para manter os quadros no Centro Cultural de Belém.

O percurso de Joe Berardo é marcado por negócios duvidosos e alegados esquemas para adiar o pagamento das dívidas aos bancos. E nem mesmo os acordos celebrados com o Estado escaparam à polémica. O contrato para a colocação das obras de arte no Centro Cultural de Belém é exemplo disso.

Logo na altura gerou polémica porque dava a Joe Berardo uma participação priviligiada, em que podia sempre por e dispor das obras de arte avaliadas entre os 300 e os 400 milhões de euros.

Dez anos depois, o contrato foi renovado, numa altura em que o empresário já devia quase mil milhões de euros aos bancos. À Caixa Geral de Depósitos, ao Novo Banco e ao BCP foram dados como garantia os títulos da Associação Berardo, dona dos quadros, para evitar que as obras fossem penhoradas,

Berardo convocou uma Assembleia-Geral em que, sem a presença dos bancos, aprovou um aumento de capital e diluiu a posição destas instituições como credores.

Nessa altura, já o Estado não tinha a opção de compra das obras de arte, que estava prevista no acordo inicial, assinado em 2006, mas que abdicou no novo contrato, firmado em 2016.

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros