País

Juíza alarga prazo para mulher de João Rendeiro entregar obras de arte desaparecidas

Têm de ser entregues até segunda-feira nas instalações da Polícia Judiciária.

Esgotou o prazo e a mulher de João Rendeiro não encontrou as obras de arte que estão desaparecidas. A fiel depositária da coleção arrestada ao antigo banqueiro pediu mais tempo ao tribunal. A juíza deu-lhe mais três dias.

A ordem era para entregar à Judiciária até esta quarta-feira as obras que são há 10 anos do Estado, mas algumas continuam em parte incerta.

Maria de Jesus Rendeiro, mulher de João Rendeiro e fiel depositária da coleção, não entregou nem sequer descobriu, dentro do prazo concedido pela justiça, as peças que a Judiciária não encontrou na casa da Quinta Patino.

Ao tribunal pediu um prazo suplementar de oito dias, além da cópia da lista das peças apreendidas e cópia das fotografias para poder comparar as imagens com as obras que eventualmente encontre.

A juíza decidiu conceder mais três dias úteis para que a mulher de João Rendeiro localize e entregue os quadros e esculturas desaparecidos.

Das 124 obras de arte apreendidas há mais de uma década, pelo menos 15 não foram encontradas pela PJ durante buscas à casa do antigo banqueiro. Ao que a SIC apurou, cerca de metade das peças desaparecidas já foram localizadas.

Têm de ser entregues até segunda-feira nas instalações da Polícia Judiciária.

► VEJA MAIS:

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias