País

Sindicato denuncia agressão a médica e lamenta que plano de prevenção continue "na gaveta"

Sindicato denuncia agressão a médica e lamenta que plano de prevenção continue "na gaveta"
Smith Collection/Gado

A diretora do SIM sublinha que existe uma sensação de impunidade é "muito grande" perante as agressões a médicos.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denunciou esta terça-feira que uma médica foi agredida na urgência do Hospital de São Francisco Xavier, lamentando que o plano de prevenção da violência na saúde continue "na gaveta".

A obstetra, que cumpria uma prestação de serviços na urgência do hospital, foi agredida por duas pessoas na tarde de segunda-feira e terça-feira "não estava em condições de ir trabalhar", adiantou o sindicato, que se solidarizou com a médica, a quem disponibilizou apoio jurídico.

Em declarações à Lusa, a dirigente do SIM, Maria João Tiago, lamentou que o Plano de Ação para a Prevenção da Violência no Setor da Saúde, apresentado em janeiro deste ano, na prática "continue na gaveta, porque não há instruções e nunca foi divulgado".

"É lamentável que quem nos tutela não nos proteja, quer de agressões físicas, quer de agressões verbais, e que, ao fim deste tempo todo, o plano da violência sobre os profissionais de saúde não esteja bem instituído", adiantou a médica.

A sensação de impunidade é "muito grande", alertou ainda Maria João Tiago, ao exemplificar a situação em que um agressor "continua na lista do médico de família" agredido, ao mesmo tempo que "diretores de serviço desvalorizam a situação e fingem que nem existiu".

"Nada acontece e é uma grande dificuldade, muitas vezes as autoridades de saúde quase que nos desmotivam a apresentar queixa do sucedido", afirmou a dirigente Secretariado Regional de Lisboa e Vale do Tejo do SIM.

Em março, a PSP anunciou que registou 961 situações de violência em hospitais e centros de saúde em 2021, mais 16% do que em 2020.

A PSP indicou também que cerca de 65% da violência registada é praticada por utentes, 21% pelos familiares ou acompanhantes dos doentes, 13% por profissionais de saúde e 1% por visitantes ou outras pessoas.

A comarca de Lisboa registou 23 inquéritos crimes contra profissionais de saúde em 2021, um crime que o Mistério Público (MP) tinha alertado em 2020 para a tendência acentuada de aumento.

Os profissionais da saúde que notificam mais casos de violência são os enfermeiros e os médicos e a maioria das situações são de violência verbal e física.

Últimas Notícias
Mais Vistos