País

Cheias em Lisboa: Chega quer ouvir Carlos Moedas no Parlamento

Cheias em Lisboa: Chega quer ouvir Carlos Moedas no Parlamento
Horacio Villalobos

O líder do Chega anunciou que o partido vai pedir para ouvir as várias autoridades de Proteção Civil.

O líder do Chega anunciou que o partido vai requerer a audição das autoridades de Proteção Civil e do presidente da Câmara de Lisboa na Assembleia da República sobre as inundações que se registaram na capital.

"Queria anunciar aqui que o Chega vai chamar ao Parlamento as várias autoridades de Proteção Civil para que deem esclarecimentos sobre isto", declarou André Ventura, no Funchal.

"Porque todos os verões estamos a falar de incêndios e todos os invernos estamos a falar de cheias", disse, considerando ser "um pouco cansativo estarmos todos os anos a assistir ao mesmo filme".

Face ao cenário provocado pelas cheias na capital, Ventura adiantou que, embora "sabendo que há o risco de o PS não aceitar", pretende "chamar o presidente da Câmara Municipal de Lisboa para que dê explicações".

"Como é que é possível com tantos avisos que existiam nesta matéria, com tanto dinheiro que gastamos em proteção civil, termos situações como as que tivemos ontem [quarta-feira]?", questionou.

André Ventura lamentou a morte de uma cidadã numa cave, em Algés, concelho de Oeiras, e a situação dos muitos automobilistas e transeuntes que "viram a sua vida em perigo real, uns que não conseguiram sair do carro, outros que se viram apanhados em verdadeiros dilúvios e torrentes de água".

"Como é que é possível? O que é que andamos a fazer para evitar isto?", argumentou.

O líder do Chega opinou "o que custa às pessoas" é que apesar dos avisos desde a semana passada de um aumento da precipitação e maior pressão sobre as infraestruturas não se viu "absolutamente nada".

Por isso, "as pessoas perguntam e com legitimidade: 'O dinheiro dos nossos impostos anda a servir para quê?', sublinhou.

Ventura vincou que Portugal tem "das maiores cargas fiscais da Europa, bate o recorde em carga fiscal no ano passado e o que as pessoas sentem é que basta vir um bocadinho mais de calor e temos incêndios incontroláveis, um bocadinho mais de chuva e temos cheias incontroláveis".

"A cidade de Lisboa estava literalmente bloqueada" quarta-feira, enfatizou.

O mau tempo registado em Portugal na última noite provocou um total de 1.977 ocorrências, destacando-se o distrito de Lisboa com 913, anunciou a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.