Saúde e Bem-estar

Comer fora das refeições aumenta risco de obesidade nas crianças

Francisco Seco

Ingerir mais alimentos durante a tarde e depois do jantar tornam as crianças mais propensas ao risco de obesidade ou excesso de peso, concluiu estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto.

Francisco Seco

Estudo acompanhou quase duas mil crianças durante mais de uma década

O estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto foi recentemente publicado na revista 'Journal of Biological Rhythms' e avaliou os hábitos alimentares de 1961 crianças da coorte Geração XXI (projeto iniciado em 2005, que acompanha o crescimento e desenvolvimento de mais de oito mil crianças da cidade do Porto) entre a idade pré-escolar, aos 4 anos, e a idade escolar, aos 7.

Em entrevista à agência Lusa, Sofia Vilela, investigadora responsável pelo estudo, explicou que foi através da avaliação dos padrões de consumo energéticos (hidratos de carbono e proteínas) das crianças aos 4 anos, que a equipa de investigadores conseguiu padronizar "o desenvolvimento do excesso de peso ou obesidade" aos 7 anos.

"Utilizando informação de diários alimentares de três dias, obtivemos padrões de distribuição de ingestão alimentar quando as crianças tinham 4 anos e associamos esses padrões com o seu Índice de Massa Corporal (IMC) 3 anos depois, quando completaram 7 anos", referiu.

Com o objetivo de "alertar" para determinados comportamentos alimentares e não "quantificar" os padrões seguidos pelas crianças, o estudo permitiu "ver a ligação entre dois comportamentos alimentares e o excesso de peso ou obesidade".

"As crianças que têm um padrão alimentar, caracterizado por saltarem o pequeno-almoço, terem o almoço mais tarde e comerem depois do jantar, estão em maior risco de desenvolverem excesso de peso ou obesidade", frisou.

A importância de começar bem o dia

Segundo Sofia Vilela, para que o peso das crianças seja "saudável" é necessária "uma maior distribuição energética" ao pequeno-almoço, almoço e jantar e uma "menor ingestão" de alimentos a meio da manhã e a meio da tarde.

"Começar o dia com um pequeno-almoço equilibrado parece ser uma boa estratégia para conseguir um bom nível de saciedade ao longo do dia e controlar a ingestão alimentar. É fundamental ter um padrão regular e não saltar refeições. Tendo em conta os resultados deste estudo e de outros prévios, a ceia poderá ser uma refeição dispensável nestas crianças", apontou.

A investigadora adiantou ainda que, apesar do contributo do estudo para a compreensão do ritmo circadiano no consumo alimentar e desenvolvimento de excesso de peso em crianças, é necessário "replicar os resultados noutras faixas etárias e noutras populações".

  • Seis em cada 10 crianças comem pouca fruta e legumes
    1:59

    País

    Sessenta e cinco por cento das crianças portuguesas não comem fruta e legumes nas quantidades recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A conclusão é de um estudo da Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil que analisou os hábitos alimentares de crianças entre 2 e 10 anos. A SIC falou com Mário Silva, responsável da Associação que promoveu também o projeto "Heróis da Fruta".

  • Reportagem Especial apresenta “As pessoas crescidas nunca percebem nada”
    0:37

    Programas

    Em menos de um século, passámos de um extremo ao outro: de crianças completamente à solta para crianças superprotegidas. Hoje em dia, a falta de autonomia dada pelos pais aos filhos e o medo generalizado faz com que os mais novos passem demasiado tempo sem estarem ativos, sem brincarem livremente, sem estarem com os amigos. A maioria vive confinada a espaços fechados, desde a casa, o carro e a escola. Vivemos uma situação de perigo com problemas graves de saúde pública, como a obesidade. O número de crianças medicadas para estarem quietas e atentas é cada vez maior. Estudos comprovam que as crianças que não se confrontam com o risco tornam-se adultos imaturos e inseguros. E que as crianças ativas e com oportunidade de socializar aprendem melhor. Entrevistámos famílias em diferentes pontos do país, a viver em grandes cidades e no meio rural, comparámos a infância entre as várias gerações e conversámos com especialista

  • Escolhas de educadores condicionam baixo consumo de fruta na infância
    3:03

    País

    Sete em cada 10 crianças portuguesas não come a quantidade de fruta diária recomendada pela Organização Mundial de Saúde. O problema, dizem os especialistas, começa muitas vezes, na escolha que pais e avós fazem logo na infância. A Associação Contra a Obesidade Infantil tem uma iniciativa, em conjunto com escolas, que pretende combater a má nutrição. O projeto "Heróis da Fruta - Lanche Escolar Saudável" pretende ser um modelo pedagógico "chave na mão" que qualquer escola pode adotar de modo simples e gratuito, segundo os organizadores.

  • Mais crianças portuguesas com baixo peso, menos obesas
    2:50

    País

    Desde 2010 que tem vindo a aumentar o número de crianças portuguesas com baixo peso. Um estudo hoje divulgado indica que 3% das crianças têm baixo peso e, por outro lado, que a obesidade e o excesso de peso estão a diminuir entre crianças do 6 aos 8 anos.

  • Os populismos crescentes "não são apenas um problema europeu"
    2:01
  • “Vamos a Jogo” acompanhou Luís Filipe Vieira no dia da reconquista
    15:21
  • Visíveis - Ruca
    31:30