Saúde e Bem-estar

Bastonário dos Médicos: "A saúde mental vai ser a grande pandemia deste século"

Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos, esteve esta sexta-feira na Edição da Noite da SIC Notícias, a analisar os temas fortes da saúde: a auditoria ao lar de Renguengos de Monsaraz, as consultas e exames em atraso, a possível vacina para a covid-19, a falta de recursos humanos e o plano nacional de saúde mental.

Auditoria ao lar de Reguengos de Monsaraz

Na perspetiva de Miguel Guimarães, a auditoria realizada pela Ordem dos Médicos ao lar em Reguengos de Monsaraz revelou que as responsabilidades recaem sobre quem dirigia o lar, sobre a Administração Regional do Alentejo e da própria autoridade de saúde local.

O atraso na tomada de decisões permitiu que a transmissibilidade do vírus acabasse por ser maior do que poderia ter sido, porque não houve o isolamento dos utentes infetados nos primeiros dias.

A auditoria vai ser analisada por outras entidades competentes, nomeadamente, o Ministério Público e o Ministério da Saúde.

"Várias das orientaçoes da DGS acabaram por não ser cumpridas. Não foi feito o isolamento das pessoas infetadas, a testagem das pessoas demorou demasiado tempo - demorou quase 3 dias - as pessoas continuaram a viver umas com as outras, a usar as mesmas salas, as mesmas casas de banho, etc, e depois até se decidir separar as pessoas passou-se quase dez dias", apontou.

Consultas e exames em atraso

"O maior problema que temos neste momento na área da saúde tem a ver com os doentes não covid", começa por dizer Miguel Guimarães, acrescentando que os doentes foram "ficando para trás". Revelou ainda que cerca de 90 mil cirurgias ficaram por realizar.

Lembra ainda que nos estamos a aproximar do período do inverno e "da tal segunda onda" e que, por isso, a programação do inverno é "absolutamente fundamental".

Miguel Guimarães tocou num assunto "polémico": o uso obrigatório de máscara nas ruas da Madeira. Considera que Portugal continental devia ponderar a medida - que foi também implementada por outros países - porque, segundo diz, neste momento o país tem boas condições, nomeadamente, com as escolas fechadas, com muitas pessoas em teletrabalho, numa altura de calor.

"Temos que aproveitar este momento para implementar todas as medidas possíveis, de forma a controlarmos completamente a doença e conseguirmos evitar que tenha impacto no inverno", disse.

Vacina

O bastonário da Ordem dos Médicos reforçou as investigações mundiais para a vacina da covid-19, lembrando que Portugal está fora da corrida e que, segundo sabe, existem farmacêuticas no país que estão interessadas em participar na investigação. Aos olhos de Miguel Guimarães, existem dois fatores positivos da integração de Portugal na pesquisa científica:

"Primeiro, ao participarmos já estamos em vantagem e segundo porque nós temos que estudar a possibilidade de podermos produzir também a vacina em Portugal. É a forma de termos acesso à vacina, caso contrário vamos ficar em lista de espera", revelou.

Falta de recursos e a saúde mental

Há falta de recursos humanos nos hospitais, nomeadamente de médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes operacionais. Neste âmbito, reforçou a importância de articular a psiquiatria, a medicina geral e os psicólogos.

"A saúde mental vai ser a grande pandemia deste século", afirmou Miguel Guimarães, que considera também que esta situação já devia estar a ser acautelada há mais tempo, implementando e investindo no plano nacional de saúde mental.