Cultura

"Abraçava as pessoas sem lhes tocar". João Baião recorda a amiga Maria João Abreu

Entrevista SIC

Colegas e amigos João Baião, Isabel Valadeiro e Jorge Corrula recordam Maria João Abreu no Jornal da Noite. 

Os colegas e amigos João Baião, Isabel Valadeiro e Jorge Corrula estiveram no Jornal da Noite da SIC a recordar a atriz Maria João Abreu. A artista morreu esta quinta-feira no Hospital Garcia de Orta, em Almada, depois de ter sofrido um aneurisma cerebral, na passada semana, durante as gravações da novela "A Serra".

João Baião, que tem também uma relação muito próxima com a família de Maria João Abreu, diz que a amiga faz parte da sua vida "desde sempre" e lembra que, mesmo quando não trabalhavam juntos, faziam parte da vida um do outro.

"Jamais encontro palavras para descrever a importância que a João tem na minha vida. Havia sempre um telefonema, um convite", diz.

Já a atriz Isabela Valadeiro diz que vai lembrar-se de Maria João - que descreve como "humildade em forma de gente" - com "muita alegria" e recorda:

"Era amada por muita gente e amou muito".

A colega e amiga diz que Maria João Abreu era uma pessoa "muito importante" na sua vida". "Vou amá-la sempre", afirma Isabela.

O ator Jorge Corrula afirma que a colega vai estar "para sempre" com ele e com quem ela se cruzou e recorda-a como uma pessoa humana, generosa e talentosa. Era uma "mulher absoluta", um "ser humano extraordinário", acrescenta.

"Há uns que estão numa lancha rápida, outros que estão num bote insuflável sem remo. A João fazia pontes entre as pessoas que estão na lancha e as que estão no barco insuflável", exemplifica.

Maria João Abreu "é uma raridade"

A sensibilidade "muito especial" de Maria João Abreu, tanto em cena como nos bastidores, foi apontada pelos amigos - emocionados - no Jornal da Noite da SIC.

João Baião conta: "Abraçava as pessoas sem lhes tocar". Acrescenta que a atriz sentia quando os colegas não estavam bem.

Recorda também o tempo em que Maria João morava no Cartaxo, tinha filhos ainda pequenos e fazia televisão e teatro ao mesmo tempo.

"Vai-me faltar muito o olhar, os conselhos, o toque", desabafa.

"Em palco tinha a capacidade de sair da personagem e dizer 'eu estou aqui, se precisares de ajuda'", acrescenta.

Isabela Valadeiro refere Maria João Abreu como uma "super João", "cuidadora de todos": "Não há muita gente assim. Ela é mesmo especial, só as pessoas assim conseguem fazer tudo ao mesmo tempo e tão bem, com tanto amor".

Jorge Corrula também realça a "generosidade em cena": "Era alguém que estava em personagem de forma inteira e autêntica e tinha um terceiro sentido que estava contigo".

"É uma raridade", refere.

Veja também: