Cultura

"Entrava em casa das pessoas como se fosse família". Marcelo lembra "excecional" Maria João Abreu

À SIC Notícias, Presidente da República diz que teve momentos únicos com a atriz.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considera "muito injusta" a morte precoce da atriz Maria João Abreu. Recorda uma pessoa com sentido de humor e que gostava de viver.

Em direto ao telefone na SIC Notícias, lembra que privou com a artista "ao longo de muitos anos" e que tiveram "momentos únicos".

"Entrava em casa das pessoas como se fosse família", afirma, referindo que era uma "profissional e pessoa excecional" e "muito justa".

O Presidente da República realça ainda a capacidade de partilha com os telespectadores e com os colegas.

"A imagem que passava era um retrato dela, não havia ali plástico. Era como era: genuína e natural", diz, acrescentando que a atriz "era como os melhores de nós".

"Ter o talento de saber transmitir aos outros muito da vida da própria não tem preço", afirma.

A atriz Maria João Abreu morreu esta quinta-feira, aos 57 anos, na sequência de um aneurisma.

Estava internada no Hospital Garcia de Orta, em Almada, depois de ter sofrido um aneurisma cerebral, na passada semana, durante as gravações da novela "A Serra". Foi submetida a intervenções cirúrgicas e ficou em coma induzido.

Veja também: