Desporto

Prata no judo e ciclismo, bronze nos trampolins e vão nove medalhas

SERGEY DOLZHENKO

Portugal é assim 13.º no 'medalheiro', que já conta com 35 países dos 50 que participam nos II Jogos Europeus.

Portugal voltou esta terça-feira às medalhas e já soma nove nos II Jogos Europeus, após mais duas pratas no judo de equipas e no contrarrelógio do ciclismo, enquanto o bronze chegou dos trampolins em Minsk.

Os favoritos ao pódio confirmaram-se e surpreendeu a equipa de judo: Telma Monteiro foi a única com medalha individual, o bronze em -57 kg, contudo a equipa conseguiu uma valiosa prata, que podia ter sido ouro, não fosse ter desperdiçado uma vantagem por 3-0 na final, permitindo o 3-3 e depois o desempate favorável à Rússia.

Bárbara Timo, Anri Egutidze e Rochel Nunes, que 'vingou' frente a Ksenija Chirisova a perda da medalha de bronze individual em +78 kg, colocaram Portugal a um triunfo do ouro, porém Telma Monteiro, Jorge Fonseca e Jorge Fernandes perderam os seus combates, permitindo a igualdade.

No sorteio pela luta extra, Jorge Fernandes, o último a sair do 'tatami', exausto pelo esforço de tentar, infrutiferamente, um 'ippon', acabou por perder novamente.

O ciclista Nélson Oliveira protagonizava a mais realista oportunidade de medalha e confirmou o seu potencial, sustentado previamente com o quarto lugar nos Mundiais de 2017, o sétimo nos Jogos Olímpicos Rio2016 e um terceiro posto num 'crono' da Volta a França em 2016.

Nelson Oliveira, de 30 anos, cumpriu os 28,6 quilómetros do exercício em 33.31 minutos, a somente 28 segundos do principal favorito, o bielorrusso Vasil Kiryienka.

O checo Jan Barta terminou no terceiro posto, a nove segundos do português. Diogo Ganchinho foi o segundo melhor na qualificação, contudo subiria ao pódio como terceiro nos trampolins: totalizou 58,660 pontos, atrás do bielorrusso Uladzislau Hancharou, com 60,045, que confirmou a sua superioridade nas duas fases, e do russo Mikhail Melnik, com 59,435, que o 'destronou'. Terça-feira, nos sincronizados, com Diogo Abreu, ficou em quarto, a sete centésimos do bronze.

A canoagem, de quem Portugal poderá esperar mais pódios, estreou-se com Fernando Pimenta - duas pratas em Baku2015 - a passar diretamente à final de K1 1.000 metros, distância na qual é campeão do Mundo em título.

Em K4 500, o quarteto composto por David Varela, Emanuel Silva, João Ribeiro e Messias Baptista mostrou novamente forte andamento e venceu a sua semifinal, enquanto Joana Vasconcelos, Teresa Portela, Francisca Laia e Francisca Carvalho passaram com o terceiro tempo, indo também disputar a regata das medalhas.

Bronze em Baku2015, com 6-5 à Suíça, a seleção de futebol de praia começou mal, perdendo precisamente com os helvéticos, por 3-1, após prolongamento, depois de 1-1 no tempo regulamentar.

As ginastas Sílvia Saiote e Beatriz Martins foram sextas classificadas na final direta de trampolins sincronizados, pelo que Beatriz não conseguiu repetir o bronze de Baku2015, na altura com Ana Rente.

A atiradora Joana Castelão foi 10.ª classificada no tiro de precisão a 25 metros e decide na quarta-feira, no tiro rápido, se entra nas oito finalistas.

No badminton, Bernardo Atilano e Sónia Gonçalves perderam os respetivos jogos da segunda jornada e agora só a competidora feminina, que tinha ganho na primeira ronda, alimenta esperança de apuramento, na derradeira jornada da fase de grupos.

A seleção lusa soma nos II Jogos Europeus nova medalhas, uma de ouro, por intermédio de Carlos Nascimento, nos 100 metros, e quatro de prata, pela equipa de judo na prova mista, pelo ciclista Nelson Oliveira (contrarrelógio) e pelas ginastas acrobatas Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca Sampaio Maia, em combinado e no exercício dinâmico.

Na prova de equilíbrio, as ginastas ainda conseguiram uma medalha de bronze, também alcançada pela judoca Telma Monteiro (-57 kg), pela estafeta mista dos 4x400 metros (Ricardo dos Santos, Cátia Azevedo, João Coelho e Rivinilda Mentai) e por Diogo Ganchinho nos tranpolins.

Lusa