Desporto

Aplausos e cânticos marcam último adeus a Alfredo Quintana

ESTELA SILVA

Adeptos e dirigentes do FC Porto juntaram-se para prestar homenagem ao guarda-redes de andebol.

As cerimónias fúnebres de Alfredo Quintana, que se realizaram esta terça-feira, contaram com uma homenagem ao atleta perto do pavilhão Dragão Arena. O guarda-redes de andebol do FC Porto morreu esta sexta-feira, aos 32 anos, depois de ter sofrido uma paragem cardiorrespiratória antes de um treino.

O cortejo saiu do hospital de São João, onde o jogador esteve internado, e fez uma paragem no recinto desportivo dos “dragões”. Adeptos e dirigentes do clube - encabeçados por Pinto da Costa - marcaram presença no último adeus a Quintana, assim como o selecionador nacional de andebol, Paulo Pereira, e o presidente da Federação, Miguel Laranjeiro.

Na homenagem, que durou cerca de 45 minutos, o atleta luso-cubano foi lembrado com cânticos e aplausos. Com bandeiras de apoio à equipa do FC Porto, os adeptos criaram um corredor por onde prosseguiu o cortejo fúnebre, em direção ao tanatório de Matosinhos.

"O Alfredo Quinta era uma atleta de eleição e um homem de excelência. Isso via-se em campo, na relação com os amigos, com a família e com os jovens e as crianças. Acho que neste país há muitos guarda-redes que o são porque quiseram seguir o seu exemplo e isso é algo que vai perdurar na memoria de todos nós", disse Miguel Laranjeiro, presidente da Federação de Andebol de Portugal à Lusa, referindo ainda que as “memórias vão ficar para sempre, assim como o exemplo que nos deixou”.

Alfredo Quintana morreu na passada sexta-feira, aos 32 anos, depois de ter sofrido uma paragem cardiorrespiratória, dias antes, num treino do FC Porto. Foi assistido de imediato por uma viatura do INEM e transportado para o hospital de São João.

O guarda-redes luso-cubano integrava o plantel dos “dragões” desde 2010, fazendo também parte da equipa da seleção nacional.

  • 16:26