Economia

Menos despesas com o pessoal e menos aviões. O plano "duro" da TAP

Estado vai injetar, pelo menos, 970 milhões de euros em 2021 para salvar a companhia aérea nacional.

O Governo já entregou em Bruxelas o plano de reestruturação da TAP. É uma autêntica revolução na companhia aérea já apresentada também aos trabalhadores.

O Conselho de Administração diz que se trata de uma "plano duro", que prevê o dispensa de 3 mil pessoas: 700 pilotos, 1.200 tripulantes de cabine e 1.100 trabalhadores de terra.

No entanto, o Governo e a TAP querem recuperar 1.000 postos de trabalho já no próximo ano, com a retoma da atividade económica depois da pandemia.

Está também previsto um grande corte nos ordenados: para salários acima de 900 euros brutos, incluindo os impostos, o corte será de 25%; abaixo dos 900 euros brutos, o salário mantém-se.

A TAP vai também reduzir o número de aviões: dos atuais 108, a companhia aérea vai passar a ter 88 aparelhos.

Quanto ao apoio do Estado, já se sabia que até 2024 vão ser injetados 3.200 milhões de euros. A novidade é que já no próximo ano, o Estado vai injetar pelo menos 970 milhões para salvar a companhia aérea nacional.

Seguem-se as negociações com Bruxelas. O Governo espera ter o processo concluído no primeiro trimestre do próximo ano. Só depois será conhecida a versão final do plano de reestruturação.

Durante a apresentação do plano, o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, disse que a TAP vai perder 6,7 mil milhões de euros em receitas até 2025.

"Inevitavelmente um ajustamento desta dimensão exige que a TAP faça também um ajustamento da sua dimensão para que o peso do apoio público seja menor" e para que esteja mais bem preparada para "beneficiar da recuperação da economia", disse o ministro.

Ainda de acordo com o ministro, prevê-se que este ano a TAP transporte 28% dos passageiros transportados em 2019 e tenha uma quebra do volume de negócios superior a 75%.

Portugal entregou o plano de reestruturação a Bruxelas na quinta-feira.

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias