Economia

Matos Fernandes lembra que preço dos combustíveis resulta do mercado livre

O ministro sublinhou que "nem este, nem Governo algum, tem qualquer capacidade de intervir" nos preços do gasóleo e da gasolina.

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, lembra que mercado dos combustíveis é livre. O governante falava sobre mais um aumento no preço dos combustíveis, registado esta segunda-feira. Matos Fernandes diz ainda que os governos pouco ou nada podem fazer, mesmo que quando entrar em vigor a lei que foi aprovada na sexta-feira pelo Parlamento.

“Foi aprovada a lei na Assembleia da República – que só será lei depois do Presidente da República a promulgar e ser publicada – e permitirá ao Governo intervir numa parcela – é verdade que é uma parcela – da fixação do preço dos combustíveis, que é as margens dos próprios vendedores, ao longo de todo o processo. Agora, este é mesmo o domínio onde o mercado é livre. O preço dos combustíveis é fixado a partir daquilo que é essencialmente o preço do bem primário que é o petróleo. Nem este, nem Governo algum, tem qualquer capacidade de intervir”, disse o ministro, sublinhando que o Executivo não tem “qualquer satisfação” com o aumento dos combustíveis.

Além disso, Matos Fernandes explica que a proposta de lei aprovada foi um esforço do Governo para “conquistar uma responsabilidade” para “garantir a justiça nos preços dos combustíveis a partir daquilo que é o preço do petróleo”.

► Veja mais:

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias