Afeganistão

Talibãs ordenam regresso à escola apenas a rapazes

Rapazes afegãos numa madrasa (escola religiosa) em Cabul em 2017.

Omar Sobhani / Reuters

O Ministério da Educação do Afeganistão não faz qualquer referência a raparigas.

O Ministério da Educação do Afeganistão, controlado pelos talibãs, anunciou hoje que os alunos do sexo masculino do 6.º ao 12º anos e os professores do sexo masculino devem retomar as aulas a partir de sábado.

A declaração, publicada hoje na página do Ministério na rede social Facebook, não inclui as meninas dessa idade, o que reforça a ideia de que os talibãs deverão impor restrições a meninas e mulheres.

Até agora, os talibãs permitiam que as meninas do 1.º ao 6.º anos frequentassem as aulas.

No passado, o movimento talibã chegou mesmo a proibir meninas e mulheres de frequentar a escola e de trabalhar.

Em algumas províncias, as mulheres ainda não têm permissão para continuar o seu trabalho, com exceção das mulheres que trabalham em departamentos de saúde, hospitais e educação.

Repressão contra a mulheres

As manifestações em que as mulheres reivindicam direitos iguais aos dos homens têm terminado com violência , as mulheres não podem voltar ao trabalho e estão proibidas de praticar desportos.

O destino das mulheres no Afeganistão tem sido fonte de preocupação desde que os talibãs assumiram o controlo do país após a retirada caótica das tropas norte-americanas e internacionais em agosto.

Os talibãs governaram o país de 1996 a 2001, foram destituídos do poder após a invasão liderada pelos EUA. Historicamente tratam as mulheres como cidadãs de segunda classe, sujeitando-as à violência, casamentos forçados, são quase invisíveis no país.

Depois da conquista da capital Cabul a 15 de agosto, a liderança talibã alegou que não iria impor as mesmas medidas. Mas a ausência de qualquer representante do sexo feminino no governo provisório recém-formado e o quase desaparecimento total de mulheres nas ruas do país gera preocupações sobre o que acontecerá a seguir.

ESPECIAL AFEGANISTÃO