Coronavírus

Navio de cruzeiro no sul do Egito evacuado após 45 casos suspeitos de Covid-19

STR

Os 45 casos em Luxor são "assintomáticos".

Especial Coronavírus

Os passageiros e a tripulação de um navio de cruzeiros foram retirados da embarcação em Luxor, no sul do Egito, após 45 casos suspeitos do novo coronavírus a bordo.

A ministra da Saúde do Egito, Hala Zayed, anunciou no sábado que 33 turistas e 12 tripulantes estavam com suspeitas de infeção pelo vírus, a bordo do cruzeiro "A-Sara".

Os 45 casos em Luxor são "assintomáticos", esclareceu hoje a governante em Luxor, onde o navio estava atracado.

Entre os elementos da tripulação, 11 deram negativo após terem realizado no sábado novos testes.

Ainda assim, ficaram em quarentena num hospital, assim como os outros 34, que deram positivos, de acordo com Zayed.

O primeiro-ministro egípcio, Mostafa Madbouly, afirmou no sábado que foram realizados exames em todos os 171 passageiros do cruzeiro, dos quais 101 são turistas e 70 elementos da tripulação, sem especificar as respetivas nacionalidades.

"Todos os estrangeiros cujos testes deram negativo podem abandonar o território nas 24 horas seguintes à realização dos exames", garantiu hoje a ministra da Saúde.

Em relação ao estado do setor de turismo, que mais pesa na economia do país, o ministro do Turismo e Antiguidades, Khaled el-Enany, acompanhou a colega, e mostrou-se tranquilo.

"Vocês viram os números por si mesmo, os veículos, as filas. A situação do turismo é muito estável em Luxor", disse o ministro.

No sábado, a ministra da Saúde anunciou que medidas de proteção foram adotadas no Egito, incluindo um aumento no número de laboratórios de referência para combater o vírus.

Cidadãos de países onde foram encontrados casos positivos foram testados na chegada ao Egito, acrescentou.

Segundo o Ministério da Saúde, o Egito tem 48 pessoas infetadas, incluindo os passageiros do "A-Sara".

Nas últimas semanas, as autoridades egípcias anunciaram três novos casos confirmados de coronavírus, um deles um cidadão chinês, o segundo um engenheiro petrolífero canadiano e o terceiro um egípcio oriundo da Sérvia, onde fez escala depois de embarcar em França.

Veja também: