Coronavírus

Politécnico do Porto produz viseiras de proteção para os hospitais

Vários docentes juntaram-se na produção de viseiras de proteção integral para o SNS.

Especial Coronavírus

O Politécnico do Porto desenvolveu uma viseira de proteção integral, respondendo à urgência que o Serviço Nacional de Saúde está a viver.

Com a coordenação da Escola Superior de Educação, em colaboração com a Escola Superior de Tecnologia e Gestão e a Porto Global Hub, vários docentes juntaram-se na produção destas viseiras, mesmo numa altura em que as atividades letivas estão suspensas.

A doação deste material partiu de uma lista de necessidades previamente identificadas pelo SNS.

“Dada as atuais necessidades do Serviço Nacional de Saúde, e o excelente serviço prestado, sentimos a necessidade colocar ao serviço as nossas competências e contribuir para estes tempos difíceis.", explicou Prudência Coimbra, Presidente da Escola Superior de Educação.

A viseira é feita com impressoras 3D, com elástico e acetatos.

"Com o apoio de várias empresas, que doaram material, foi criada uma linha de montagem ao domicílio” – esclarece a presidente - “mais de uma dezena de docentes produzem as peças a partir de casa com recurso a impressoras 3D, um único funcionário recolhe as peças, concentra-as na Escola Superior de Educação e o hospital recolhe o material, devidamente inventariado e acondicionado."

O protótipo já foi experimentado e despertou o interesse de quatro hospitais portugueses.

A viseira, desenvolvida com material reutilizável, vai agora ser distribuída pelas instituições do Serviço Nacional de Saúde.

Também o Instituto Superior Técnico está a produzir viseiras de proteção em impressoras 3D

Investigadores do Instituto Superior Técnico começaram a produzir viseiras de proteção para profissionais de saúde, envolvendo toda a comunidade do IST e convidam quem tiver impressoras 3D a colaborar.

A equipa já entregou viseiras fabricadas no seu laboratório no hospital Fernando Fonseca, na Amadora, e espera a partir de quarta-feira começar a obter mais material para distribuir pelas unidades hospitalares e centros de saúde, onde "há pessoas que não têm nada, estão desprotegidas" para lidar com pessoas potencialmente infetadas com o novo coronavírus.

Marco Leite e Paulo Peças, coordenadores da iniciativa, conseguem produzir seis viseiras por hora, mas cerca de duas dezenas de unidades de investigação do Técnico vão começar também a produzi-las.

O projeto pode ser descarregado aqui.

SIGA AQUI AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Veja também:

  • 0:43