Coronavírus

Ciência mostrou o poder que tem em tempos de crise e mais além

Thomas Peter

Investigadores portugueses salientam que a pandemia vem resolver de vez o debate sobre a necessidade de investimento na Ciência.

Especial Coronavírus

A pandemia de covid-19 mostrou a importância da Ciência como arma para a salvaguarda do mundo inteiro e veio dar um impulso decisivo à ligação entre a academia e a indústria, segundo investigadores portugueses ouvidos pela agência Lusa.

Para a galardoada cientista Elvira Fortunato, esta pandemia é a primeira grande crise global a seguir à II Guerra Mundial e veio "mostrar o poder que a Ciência tem e a necessidade de investir nela".

"Mostra-nos que a Ciência é a mão armada do mundo. Movimentou uma 'task force' mundial que pôs todos os cientistas a trabalhar em conjunto e apressou coisas que demoravam a acontecer".

A vice-reitora da Universidade Nova de Lisboa e diretora do Centro de Investigação de Materiais acredita que o papel que a Ciência assumiu no contexto da pandemia vem resolver de vez o debate sobre a necessidade de investimento e fez com que se deixasse para trás a concorrência que também existe na área.

"Esqueceu-se por agora quem é que chega à frente, quem é que faz primeiro", afirmou exemplificando com o consórcio formado pela Nova, Instituto Gulbenkian de Ciência, Fundação Champalimaud e Instituto de Medicina Molecular para responder às chamadas e projetos promovidos pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e pelo Ministério da Economia.

O ex-presidente do Instituto Superior Técnico, Arlindo Oliveira, disse à Lusa que o trabalho dos cientistas com hospitais e sistemas de saúde ganhou "uma prioridade que não tinha antes".

Na sua área de investigação, as ciências da computação e a inteligência artificial, Arlindo Oliveira afirma que a análise de dados médicos e clínicos poderá dar respostas essenciais sobre o novo coronavírus, desde logo "porque ataca com tão grande ferocidade os mais velhos".

O trabalho que já se está a fazer nesta área permitirá identificar melhor onde estão os maiores riscos de contrair a covid-19 e quais os fatores genéticos ou comportamentais determinantes, afirma.

Quanto aos avanços em tecnologias como a georreferenciação para rastrear contactos, "dependerão sempre da salvaguarda da privacidade" e não é claro sequer que funcionem para o efeito pretendido.

"Para já, os dados não são conclusivos quanto à sua utilidade. Para já, nem toda a gente as irá utilizar. Depois, podemos vir a concluir que saber onde é que toda a gente anda ou com quem contacta só resulta numa quebra de um ou dois por cento no contágio, portanto pode nem valer a pena".

Elvira Fortunato concorda que avanços tecnológicos como esses têm "sempre um lado negro e um lado branco" e que deve haver limites.

Duma coisa a investigadora tem certeza: "nunca houve uma interação e integração tão grande entre a indústria e a universidade", como evidenciam as "reinvenções" de empresas como a que fabricava cotonetes e agora produz zaragatoas para testes de diagnóstico.

Para isso, e porque "a indústria não conseguia sozinha" adaptar-se tão depressa, precisou de chamar as universidades e contar com o "conhecimento adquirido" dos investigadores.

"Estas coisas não aconteciam antes. E este vírus não está para acabar".

O diretor do Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produtos CEiiA, Miguel Braga, aponta o projeto do ventilador português Atena como exemplo do que era "altamente improvável" há três meses.

"Dissemos à comunidade médica: 'sabemos investigar e desenvolver equipamentos para aeronáutica, para a mobilidade, agora ajudem-nos a colocar estas capacidades ao serviço das vossas necessidades para enfrentar a covid-19'. E a comunidade médica trabalhou lindamente connosco".

Empresas como a EDP e instituições como a Fundação Calouste Gulbenkian juntaram-se também ao projeto de criação de um ventilador, um exemplo do tipo de tecnologia sem o qual não se pode imaginar um futuro pós-covid, argumenta.

"Se houve momento em que ficou clara a necessidade de apostar na ciência foi esta pandemia e a forma como apanhou de surpresa o mundo, mesmo os países mais desenvolvidos. Nós temos que nos preparar melhor para uma situação semelhante. Portugal e a União Europeia não podem estar dependentes do fornecimento da China ou de outro país qualquer para ter reagentes ou zaragatoas".

Miguel Braga salienta que a Ciência em Portugal se adaptou "muito rapidamente", tal como a indústria, mostrando que "a necessidade faz o engenho" e que isso será essencial para o futuro próximo, em que se prevê uma grave crise económica a nível global.

"Temos duas maneiras de reagir a essa crise. Ou nos refugiamos em casa e esperamos que destrua o que tem que destruir para depois regressamos ou antecipamos o que será o mundo depois da crise e começamos já a investigar e a desenvolver".

A indústria da aviação, por exemplo, é uma das que "terá que se reinventar" para voltar a dar "confiança aos passageiros" e levá-los a voar novamente sem medo de serem contagiados.

"Vamos exigir, enquanto consumidores, produtos e serviços com mais qualidade e mais seguros. E é a ciência que tem condições para os criar".

Para o administrador do CEiia e ex-reitor da Universidade do Minho António Cunha, a ciência dos próximos anos "terá que ser mais pragmática" pois a pandemia veio evidenciar que "as prioridades mudam".

"Obriga-nos a pensar a ciência, tanto a fundamental como a aplicada, para enfrentar as necessidades efetivas das pessoas".

O investigador da área de Engenharia de Polímeros admite que "talvez algumas áreas fiquem para trás porque a Saúde vai ser a prioridade mais visível".

Prova disso é o facto de "quase todas as atuais chamadas de financiamento serem específicas da área da covid-19".

"Isso vai passar, mas o mundo não vai ficar como dantes. Em todas as áreas, não só a ciência, vai mudar a maneira como se olha para o futuro. Nos transportes, nas lojas, que vão ter que se reinventar na forma como vão chegar ao consumidor, e para isso terá que haver nova tecnologia", considera.

Elvira Fortunato admite ter ficado "com mais orgulho em Portugal" desde o início da pandemia, frisando que para a comunidade académica há práticas que foram impostas pelo confinamento que devem ficar.

"Ainda vivíamos com muito papel, com muita carga burocrática. Agora, foi desmaterializada uma série de coisas. Estão a fazer-se provas de doutoramento e de agregação 'online' e, embora as aulas práticas não possam ser substituídas, percebemos que as aulas teóricas podem ser dadas à distância com qualidade e com avaliação", exemplificou.

Mais 16 mortes e 540 casos de Covid-19 em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quinta-feira a existência de 989 mortes e 25.045 casos de Covid-19 em Portugal.

O número de óbitos subiu, de quarta para quinta-feira, de 973 para 989, mais 16 - uma subida de 1,6% -, enquanto o número de infetados aumentou de 24.505 para 25.045, mais 540, o que representa um aumento de 2,2%.

O número de casos recuperados subiu de 1.470 para 1.519.

Portugal vai terminar no sábado, 02 de maio, o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e passa a estado de calamidade pública.

230.309 mortos e mais de 3,2 milhões de infetados em todo o mundo

A pandemia do novo coronavírus já matou 230.309 pessoas e infetou 3.218.410 em 195 países e territórios, segundo um balanço da agência AFP.

Entre esses casos, pelo menos 922.900 são hoje considerados curados.

Desde a contagem realizada às 19:00 TMG de quarta-feira, 5.867 novas mortes e 79.155 novos casos ocorreram em todo o mundo.

Os países com mais óbitos são os Estados Unidos, com 2.271 novas mortes, o Reino Unido (614) e o Brasil (449).

Os Estados Unidos, que tiveram a sua primeira morte ligada ao coronavírus no início de fevereiro, são o país mais afetado em termos de número de mortes e de casos, com 61.717 mortes e 1.054.261 casos.

Pelo menos 124.979 pessoas foram declaradas curadas pelas autoridades norte-americanas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são a Itália, com 27.967 óbitos e 205.463 casos, o Reino Unido, com 26.711 mortes (171.253 casos), a Espanha, com 24.543 mortes (213.435 casos) e a França, com 24.376 mortos (167.178 casos).

Entre os países mais atingidos, a Bélgica é o que apresenta maior número de óbitos em comparação com a sua população, com 66 mortes por cada 100.000 habitantes, seguida pela Espanha (52), Itália (46), Reino Unido (39) e França (37).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizou oficialmente um total de 82.862 casos (quatro novos casos entre quarta-feira e hoje), incluindo 4.633 mortes (0 novas) e 77.610 curas.

Desde quarta-feira, às 19:00 TMG, as Maldivas e o Iémen anunciaram as primeiras mortes relacionadas a vírus, enquanto Comores e Tajiquistão anunciaram o diagnóstico dos primeiros casos.

A Europa totalizava às 19:00 TMG de hoje 137.714 mortes e 1.468.718 casos, os Estados Unidos e o Canadá 64.960 mortes (1.107.276 casos), a América Latina e Caraíbas 10.642 mortes (203.429 casos), a Ásia 8.557 mortes (221.273 casos), o Médio Oriente 6.705 mortes (172.294 casos), África 1.614 mortes (37.354 casos) e a Oceânia 117 mortes (8.071 casos).