Coronavírus

Covid-19: França regista mais 263 mortes nas últimas 24 horas

CHRISTOPHE PETIT TESSON

Aumento de 193 mortes em relação ao dia anterior.

Especial Coronavírus

O número total de mortos em França, por causa da pandemia da doença provocada pelo novo coronavírus, aumentou esta segunda-feira para 26.643, com mais 263 óbitos registados nas últimas 24 horas, anunciou o Ministério da Saúde francês.

De acordo com um comunicado da tutela, citado pela agência espanhola Efe, houve um aumento de 193 mortes em relação a domingo.

França registou 70 óbitos no domingo, o número diário mais baixo desde o início do confinamento imposto pelo Governo, em 17 de março, e que terminou hoje.

Do total de vítimas mortais por causa da covid-19, 16.820 foram registadas em unidades hospitalares e 9.823 ocorreram em lares de idosos e centros para pessoas que, por motivos de saúde ou incapacidade, necessitam de prestação de cuidados constantes.

O Ministério da Saúde de França sublinhou que foram hospitalizadas 96.431 pessoas desde 1 de março.

França iniciou primeira fase de desconfinamento

Lojas de roupa, cabeleireiros e imobiliárias estão entre os estabelecimentos que podem reabrir, sujeitos ao cumprimento de regras de higiene e de distanciamento, mas restaurantes, bares e cafés mantêm-se fechados, e apenas no final do mês de maio vão saber se em junho podem reabrir.

As creches e escolas pré-primárias reabriram esta segunda-feira "numa base de voluntariado" e organizando a atividade em grupos de 10 a 15 crianças, enquanto as escolas básicas (dos 6 aos 15 anos) começaram a preparar a reabertura, na próxima segunda-feira.

Depois de dois meses de confinamento, várias empresas tentam recuperar das perdas dos últimos meses e algumas estão a readaptar o negócio.

É o caso de uma livraria portuguesa, em Paris, como testemunhou o correspondente da SIC em Paris, Guilherme Monteiro.

Michel Chandeigne, dono da livraria, explica como preprarou a reabertura do espaço e como foram os tempos em que a pandemia o obrigou a fechar.

ESPECIAL CORONAVÍRUS