Coronavírus

Ministra da Saúde apoia protesto contra o racismo, mas pede civismo

Marta Temido lembra que situação pandémica exige cuidado.

Especial Coronavírus

A ministra da Saúde disse este domingo que se revê no motivo do protesto contra o racismo que juntou milhares de pessoas em várias cidades do país, mas voltou a apelar ao civismo de manifestantes e organizadores, em contexto de pandemia.

"Todos nos revemos" - garantiu Marta Temido - nos motivos das manifestações que aconteceram, no sábado, em Lisboa, Porto, Braga, Coimbra e Viseu, no quadro da campanha de solidariedade mundial contra o racismo e a violência policial.

"Não estamos em estado de emergência e, portanto, o direito à manifestação existe e cabe aos organizadores dessas manifestações garantirem que as regras de saúde pública (...) são cumpridas", frisou a ministra da Saúde, quando questionada sobre a sua opinião em relação aos protestos nas ruas, na habitual conferência de imprensa diária sobre a situação de covid-19.

"A responsabilidade individual e (...) dos grupos é muito significativa e é o grande determinante da nossa ação", reforçou, reconhecendo que a situação pandémica exige "distinto" comportamento físico e "atitudes" consonantes.

Várias cidades portuguesas juntaram-se, no sábado, à ação mundial "Black Lives Matter", a propósito da morte do cidadão afro-americano George Floyd, na sequência de um polícia branco ter pressionado o joelho contra o seu pescoço enquanto estava algemado no chão, em Minneapolis, no estado de Minnesota, nos Estados Unidos.

Veja mais:

  • 15:42