Coronavírus

Mensalidades dos lares poderão aumentar para suportar custos da covid-19

Jean-Francois Badias

DGS anunciou que está a alterar as normas para os lares. Essas alterações podem significar mais custos para as instituições.

Saiba mais...

A Direção-Geral da Saúde anunciou que está a alterar as normas para os lares, numa altura em que há 23 surtos ativos em instituições para idosos com quase 900 infetados, entre utentes e funcionários.

A Associação da União das Misericórdias Portuguesas admite a necessidade de ter de aumentar o preço das mensalidades para suportar os custos da pandemia.

Em resposta a críticas que têm surgido, Graça Freitas disse acreditar que as visitas multidisciplinares aos lares, que integram técnicos da Segurança Social e da Saúde Pública, "estão a resultar".

A situação nos lares levou o próprio Presidente da Assembleia da República Ferro Rodrigues a questionar a atuação das autoridades de saúde nas instituições de apoio a idosos, mas o Governo diz que a situação já esteve pior.

Entretanto, a ministra da Saúde e a ministra da Segurança Social foram chamadas ao Parlamento para explicar a evolução dos surtos nas instituições.

Identificados surtos de Covid-19 em 23 lares

O numero de casos de infeção por Covid-19 nos lares é a que tem causado mais preocupação às autoridades de saúde, com os registos a aumentarem nos últimos dias.

As instituições voltaram a implementar medidas de forma a conter a propagação do vírus.

Nos próximos dias, 400 profissionais de saúde, distribuídos por todos os distritos do país, vão reforçar as equipas nas instituições de idosos.

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino