Coronavírus

Portugal com mais 3 mortes e 646 novos casos de Covid-19, valor mais alto desde 20 de abril

Balanço da DGS das últimas 24 horas.

Especial Coronavírus

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quarta-feira a existência de 1849 mortes e 61.541 casos de Covid-19 em Portugal desde o início da pandemia.

O número de mortes subiu de 1.846 para 1849, mais 3 do que na terça-feira - duas na região de Lisboa e Vale do Tejo e uma na região Norte.

O número de infetados aumentou de 60.895 para 61.541, mais 646 - o valor mais alto de novas infeções registado desde 20 de abril.

Em vigilância permanecem 35.151 contactos, mais 685 do que na terça-feira.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificados 290 novos casos, contabilizando 31.563 e 689 mortes desde o início da pandemia.

A região Norte regista hoje mais 276 casos, somando agora um total de 22.325, com 852 mortos.

Na região Centro, foram observados mais 40 casos nas últimas 24 horas, totalizando 5.044 infeções e 254 mortos, adiantam os dados da Direção-Geral da Saúde.

O Alentejo registou mais 23 infeções pelo SARS-Cov-2, o coronavírus que provoca a doença covid-19, somando agora 1.021 casos e 22 mortos.

De acordo com os dados, a região do Algarve soma hoje mais 15 casos, totalizando 1.186 infeções e 17 mortes desde o início da pandemia.

A Região Autónoma dos Açores notificou mais um caso, o que perfaz no total 228 infeções e 15 mortos.

A Madeira também registou hoje um novo caso, contabilizando 174 infeções de covid-19 e nenhum óbito.

A DGS avança também que nas últimas 24 horas 138 doentes recuperaram, totalizando 43.284 pessoas dadas como recuperadas desde o início da pandemia em Portugal.

O número de internados desceu para 391 (menos três) e o de doentes em internamento nas Unidades de Cuidados Intensivos subiu para 52 (mais dois).

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

No total, o novo coronavírus afetou em Portugal pelo menos 27.744 homens e 33.797 mulheres, de acordo com os casos declarados.

Do total de vítimas mortais, 930 eram homens e 919 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nas pessoas com mais de 80 anos.

Mais de 898 mil mortos e 27,6 milhões de infetados em todo mundo

O novo coronavírus já causou a morte de mais de 898.503 pessoas e 27.631.550 foram infetadas em 196 países e territórios desde o início da pandemia de covid-19 desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

Pelo menos 18.332.900 casos foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Nas últimas 24 horas foram registadas 4.802 novas mortes e 228.717 novos casos em todo o mundo. Os países que registaram o maior número de novas mortes são a Índia com 1.115 novas mortes, México (703) e Brasil (504).

Países mais afetados

  • Estados Unidos com 189.698 mortes e 6.328.054 casos
  • Brasil com 127.464 mortes e 4.162.073 casos
  • Índia com 73.890 mortes (4.370.128 casos)
  • México com 68.484 mortes (642.860 casos)
  • Reino Unido com 41.586 mortes (352.560 casos).
  • China (sem os territórios de Hong Kong e Macau) com 85.146 casos e 4.634 mortes.

A América Latina e as Caraíbas totalizaram 300.132 mortes e 7.910.027 casos, Europa 219.420 mortes (4.294.551 casos), Estados Unidos e Canadá 198.884 mortes (6.460.551 casos), Ásia 108.767 mortes (6.010.154 casos), Médio Oriente 38.767 mortes (1.610.413 casos), África 31.700 mortes (1.315.647 casos) e Oceânia 833 mortes (30.208 casos).

Revés na vacina mais avançada

Os ensaios clínicos do projeto de vacina para a Covid-19 entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca foram suspensos esta terça-feira, depois de uma reação adversa num voluntário.

"Como parte dos testes globais controlados e aleatórios em andamento da vacina de Oxford contra o coronavírus, o nosso processo de revisão padrão desencadeou uma pausa na vacinação para permitir a revisão dos dados de segurança", indicou a companhia em comunicado.

As vacinas mais promissoras no combate à Covid-19

Laboratórios por todo o mundo estão numa corrida contra o tempo para desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus. Há dezenas de equipas a testar várias candidatas a vacina, algumas estão mais avançadas e são promissoras, mas os cientistas avisam que nenhuma deverá estar pronta antes do fim deste ano.

Segundo o London School of Hygiene & Tropical Medicine, (que tem um gráfico que mostra o progresso das experiências) há 239 projetos e 8 estão na fase de ensaios clínicos - que consiste na inoculação da vacina em milhares de voluntários a fim de determinar se impede de facto a infeção.

Apesar do agora suspenso ensaio clínico, o projeto entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca é um dos mais promissores, a que se juntam os da Pfizer e da BioNTech, da Moderna e de vários projetos chineses, nomeadamente da CanSinoBIO que já obteve autorização para administrar a vacina em militares chineses.

"Acordámos com uma má notícia"

António Costa considera que a suspensão dos ensaios desta vacina é "uma má notícia" e lembra que Portugal tem de viver com a "incerteza" quanto ao aparecimento da vacina para a Covid-19.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global