Coronavírus

Covid-19. "As medidas que temos são igualmente eficazes para um vírus que se dissemina muito bem"

Pedro Simas lembra que é possível mudar a vacina, caso esta nova variante de coronavírus tenha impacto na imunização.

Saiba mais...

O virologista Pedro Simas explicou, este domingo, que as medidas de prevenção contra a nova variante do coronavírus, identificada no Reino Unido, são iguais às que até aqui têm sido anunciadas, mas lembra que é necessário que ser “sempre rigoroso” na hora de se proteger.

“Na forma como nos protegemos temos de ser sempre rigorosos. E a coisa boa é que, independentemente desta variante ser 70% mais eficaz a disseminar-se, as medidas que temos de distanciamento físico e uso da máscara são igualmente eficazes para um vírus que se dissemina muito bem ou um que se dissemina menos bem”, disse o virologista no 22:01.

Para além disso, Pedro Simas defende que é importante iniciar rapidamente a vacinação, principalmente nos grupos de risco, para evitar um crescente número de mortes associadas à covid-19.

“Eu acho que é muito importante vacinar e é muito importante começar a vacinar os grupos de risco. Porque o problema desta pandemia são os grupos de risco, as mortes nos grupos de risco e as pessoas que nós queremos salvar. Portanto, quanto mais cedo se começar a vacinar os grupos de risco melhor, mais protegidos eles ficam. E em princípio desaparece o problema da pandemia. Pode continuar o vírus pandémico, mas começa a circular nas populações que não são de risco e não é tão grave”, sublinha.

Sobre a possibilidade de esta variante genética vir a ter um impacto na imunização da população, o virologista lembra que é possível adaptar as vacinas, tal como acontece na gripe.

“Se estas variantes genéticas vão, alguma delas, ter impacto nas vacinas que estamos a utilizar – a probabilidade é pequena, mas mesmo que tenha – nós podemos mudar a vacina como o fazemos para a gripe. Não é nada que não esteja ao nosso alcance”, remata Pedro Simas.