Coronavírus

Portugal com mais 102 mortes e 7.502 casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Armando Franca

Mais 215 pessoas estão internadas.

Saiba mais...

Portugal regista este domingo mais 102 mortes relacionadas com a covid-19 e 7.502 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

No total, desde março, Portugal já registou 7.803 mortes e 483.689 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando este domingo ativos 106.778 casos, mais 4.372 em relação a sábado.

Quanto aos internamentos hospitalares, o boletim epidemiológico da DGS revela que estão internadas 3.770, mais 215 pessoas do que ontem, e 558 em cuidados intensivos, mais 18.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 117.210 contactos, mais 3.684 relativamente a sábado.

O boletim revela ainda que foram dados como recuperados mais 3.028 doentes. Desde o início da epidemia em Portugal, em março, já recuperaram 369.108 pessoas.

Relativamente às 102 mortes registadas nas últimas 24 horas, 39 ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo, 27 na região Norte, 25 na região Centro, sete no Alentejo e quatro no Algarve.

Regresso ao confinamento pode implicar fecho de restaurantes e comércio não-alimentar

O confinamento geral a aplicar pelo Governo na próxima semana será semelhante àquele que foi vivido no início da pandemia. Este regresso pode implicar que restaurantes e comércio não-alimentar voltem a fechar.

O ministro da Economia deixou uma garantia no final da reunião com os parceiros sociais: seja qual for o setor de atividade que seja encerrado, as empresas podem contar com apoio.

Os salários dos trabalhadores serão pagos integralmente e o empregador pagará apenas 19% desse valor. Além da isenção do pagamento da Taxa Social Única (TSU), está estipulado o aumento do valor pago a fundo perdido.

O Governo prevê também, entre as medidas, o reforço de apoios aos trabalhadores independentes e sócios-gerentes.

Em relação ao Ensino, o Executivo prometeu que as escolas iriam continuar abertas. Há agora 65 surtos ativos em escolas, com mais de 400 casos de covid-19 confirmados.

Na próxima terça-feira o Governo vai reunir com os especialistas, mas garante que está tudo a postos para começar a aplicar as mediadas que serão divulgadas na quarta-feira, depois do Conselho de Ministros.

Marcelo afirma que não há alternativa a confinamento geral

O Presidente da República afirmou este sábado que não há alternativa a um confinamento geral a partir da próxima semana face ao constante aumento do número de casos de infeção com o novo coronavírus em Portugal.

"Em relação ao futuro, penso que não há alternativa ao confinamento geral", declarou o Presidente da República, que, neste contexto, se demarcou de uma solução de apenas serem confinados os cidadãos de grupos de risco.

"Essa ideia não tem dado em nenhum sítio da Europa. A Europa toda está a reconfinar globalmente mais do que Portugal e há mais tempo do que Portugal", sustentou.

Interrogado sobre a possibilidade de os estabelecimentos de ensino continuarem abertos, ao contrário do que aconteceu em abril passado, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que o grupo de menor risco "é o das escolas", mas acrescentou que "essa matéria ainda vai ser decidida".