Coronavírus

Covid-19. Internamentos nos hospitais da Grande Lisboa não abrandam

Apenas o Amadora-Sintra registou menos internamentos, tendo disponível uma cama.

O número de internamentos por covid-19 voltou a aumentar nas últimas 24 horas. Os Hospitais da Grande Lisboa continuam sob uma enorme pressão.

O Centro Hospitalar de Lisboa Central, que agrega os Hospitais de S. José, Curry Cabral, S. Marta, Capuchos, e D. Estefânia, atinge esta sexta-feira as 306 camas ocupadas com doentes covid, sendo que a capacidade total, de momento, é de 308.

Nos cuidados intensivos estão 56 pacientes, mais seis do que há 24 horas.

O Diretor do serviço de cirurgia cardiotorácica do hospital de Santa Marta diz que, se as restrições foram cumpridas, numa semana o número de infetados pode começar a diminuir.

O hospital Beatriz Ângelo, em Loures tem, nesta altura, mais 15 pacientes covid do que há 24 horas. No total conta com 274 e nos cuidados intensivos estão 26, mais quatro do que na quinta-feira.

O Centro Hospitalar de Lisboa Norte, que junta os hospitais de Santa Maria e Pulido Valente, tem esta sexta-feira 334 pacientes covid, mais 17 do que há 24 horas e 55 estão nos cuidados intensivos. Na urgência continuam mais 50 à espera de vaga para internamento.

O hospital Amadora-Sintra, que na quinta-feira registava o maior número de infetados e que recorreu a transferências para acomodar todos os doentes covid, regista esta sexta-feira menos 29 infetados internados com o novo coronavírus, com um total de 294. Destes, 31 estão nos cuidados intensivos que, nesta altura, tem apenas disponível mais uma cama.

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros