Coronavírus

Covid-19. Três doentes em estado crítico transferidos de Lisboa para o Funchal

Chegaram ao Aeroporto Internacional da Madeira num avião C130 da Força Aérea Portuguesa (FAP) três doentes dos cuidados intensivos de hospitais de Lisboa para o hospital Nélio Mendonça, Santa Cruz, Madeira

HOMEM DE GOUVEIA

Rita Rogado

Rita Rogado

Jornalista

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo aceitou a ajuda do Governo Regional da Madeira para receber doentes do continente.

Três doentes covid em estado crítico seguiram esta sexta-feira para o Funchal, na Madeira, onde vão ficar internados. Os doentes chegaram a solo madeirense já de noite, num avião C130 da Força Aérea Portuguesa.

O avião aterrou no Aeroporto Internacional da Madeira Cristiano Ronaldo cerca das 20:15 e os doentes foram conduzidos ao hospital em três ambulâncias e encaminhados para a unidade de cuidados intensivos dedicada à covid-19.

Chegaram ao Aeroporto Internacional da Madeira num avião C130 da Força Aérea Portuguesa (FAP) três doentes dos cuidados intensivos de hospitais de Lisboa para o hospital Nélio Mendonça, Santa Cruz, Madeira

Chegaram ao Aeroporto Internacional da Madeira num avião C130 da Força Aérea Portuguesa (FAP) três doentes dos cuidados intensivos de hospitais de Lisboa para o hospital Nélio Mendonça, Santa Cruz, Madeira

HOMEM DE GOUVEIA

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo aceitou a ajuda oferecida pelo Governo Regional da Madeira para receber doentes críticos do Serviço Nacional de Saúde do continente. As autoridades falam numa seleção criteriosa.

O avião com os três doentes descolou do aeroporto de Figo Maduro, em Lisboa, por volta das 18:15. Vão ficar no Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, na Madeira.

A transferência, assegurada pelo Ministério da Defesa, foi autorizada pelos familiares dos doentes.

Segundo o Ministério da Saúde, dois destes doentes estavam internados nos cuidados intensivos do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, e o terceiro no Centro Hospitalar Lisboa Ocidental. As ambulâncias com os doentes do Hospital Beatriz Ângelo chegaram à base aérea às 17:05, com escolta policial.

Da seleção ao transporte: como foi feita a transferência de doentes para a Madeira

A viagem aconteceu a bordo do C130 da Força Aérea Portuguesa. Ao que a SIC apurou, o C130 cumpre todas as normas de segurança para o transporte de doentes mais críticos. Os doentes seguiram sedados e entubados durante a viagem, acompanhados por profissionais altamente especializados do INEM, da Força Aérea e da Região Autónoma da Madeira.

Na Edição da Tarde da SIC Notícias, a Tenente-coronel Isabel Sousa, da Força Aérea, médica responsável pela transferência de doentes em estado crítico do continente para a Madeira, garantiu que a equipa da Força Aérea está "muito treinada" para fazer este tipo de missão.

"A transferência de doentes por via aérea é um trabalho nosso, estamos habitados a fazê-lo", disse em entrevista na Edição da Tarde da SIC Notícias, acrescentando que os cuidados tiveram de ser adaptados, uma vez que são doentes com covid-19.

A responsável explicou que o avião C130, que transporta os doentes, tem o que é necessário para esse transporte, como os equipamentos de suporte para os infetados e de proteção individual para a equipa médica e tripulação. Acrescentou ainda que a seleção dos doentes foi feita "de forma criteriosa" para a transferência ser benéfica para eles.

"A coordenação deste tipo de missões é muito completa", disse Isabel Sousa.

Na Edição da Tarde, a Tenente-coronel da Força Aérea explicou que o transporte dos hospitais até à base aérea de Figo Maduro foi feito por equipas no INEM e do Hospital S. Francisco Xavier e que o transporte dos doentes do aeroporto até ao hospital, na Madeira, será da responsabilidade da Proteção Civil da Madeira com equipas especializadas.

A responsável garantiu ainda que a Força Aérea tem capacidade para transportar doentes para o estrangeiro em caso de necessidade.

O Presidente da Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos, João Gouveia, disse que a transferência destes três doentes tem como objetivo aliviar a pressão nos hospitais da região de Lisboa e Vale do Tejo.

Na Edição da Tarde da SIC Notícias, explicou que a transferência foi programada e que foram selecionados com base no perfil de risco e no benefício que tinham em manter o internamento.

"O objetivo é que estes doentes não corram nenhum risco", afirmou João Gouveia.

Os doentes em estado crítico, que deverão chegar ao Funchal a partir das 19:00, vão ter acesso ao Hospital Dr. Nélio Mendonça a partir da área destinada a doentes covid, designada covidário.

À SIC, o diretor clínico do Hospital Dr. Nélio Mendonça disse que, para já, as três camas para doentes do continente nos cuidados intensivos são a ajuda possível. No entanto, referiu que o hospital poderá vir a receber mais doentes e fez depender essa ajuda da evolução da pandemia na Madeira.

"Gesto muito significativo de unidade e solidariedade nacional"

O primeiro-ministro, António Costa, disse esta sexta-feira à tarde que telefonou ao presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, a agradecer o apoio no acolhimento de doentes nos cuidados intensivos.

Na mensagem que publicou na rede social Twitter, o primeiro-ministro considerou o gesto "muito significativo do espírito de unidade e solidariedade nacional".

Governo Regional da Madeira oferece ajuda ao continente

O Governo da Madeira mostrou-se disponível, na quarta-feira, para receber do continente infetados com covid-19 que precisem de internamento hospitalar, na sequência da "sobrecarga" existente nos hospitais nacionais.

Em comunicado, o executivo madeirense de coligação PSD/CDS, liderado pelo social-democrata Miguel Albuquerque, diz ter informado o Ministério da Saúde que tem capacidade para apoiar o Serviço Nacional de Saúde.

"O secretário regional de Saúde e Proteção Civil, Pedro Ramos, já estabeleceu o contacto com a ministra da Saúde, Marta Temido, e a operação da transferência dos doentes covid-19 será operacionalizada assim que obtiver resposta positiva por parte do Ministério da Saúde", pode ler-se no documento.

À semalhança da Madeira, o Governo dos Açores também se mostrou disponível para receber doentes do continente nos hospitais da região. O secretário regional da Saúde garante que o arquipélago vai ajudar no que for possível.

Internamentos nos hospitais da Grande Lisboa não abrandam

O número de internamentos por covid-19 voltou a aumentar nas últimas 24 horas. Os hospitais da Grande Lisboa continuam sob uma enorme pressão.

O Centro Hospitalar de Lisboa Central, que agrega os Hospitais de S. José, Curry Cabral, S. Marta, Capuchos, e D. Estefânia, atinge esta sexta-feira as 306 camas ocupadas com doentes covid, sendo que a capacidade total, de momento, é de 308. Nos cuidados intensivos estão 56 pacientes, mais seis do que há 24 horas.

O Diretor do serviço de cirurgia cardiotorácica do Hospital de Santa Marta diz que, se as restrições foram cumpridas, numa semana o número de infetados pode começar a diminuir.

O Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, tem, nesta altura, mais 15 pacientes covid do que há 24 horas. No total, conta com 274 e nos cuidados intensivos estão 26, mais quatro do que na quinta-feira.

O Centro Hospitalar de Lisboa Norte, que junta os hospitais de Santa Maria e Pulido Valente, tem esta sexta-feira 334 pacientes covid, mais 17 do que há 24 horas e 55 estão nos cuidados intensivos. Na urgência continuam mais 50 à espera de vaga para internamento.

O Hospital Amadora-Sintra, que na quinta-feira registava o maior número de infetados e que recorreu a transferências para acomodar todos os doentes covid, regista esta sexta-feira menos 29 infetados internados com o novo coronavírus, com um total de 294. Destes, 31 estão nos cuidados intensivos que, nesta altura, tem apenas disponível mais uma cama.

Veja também:

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros