Coronavírus

Covid-19. Medicamento para a asma pode acelerar recuperação em casa

Radoslav Zilinsky

É a conclusão de um estudo feito no Reino Unido.

Saiba mais...

Um medicamento usado normalmente para tratar casos de asma pode ajudar as pessoas a recuperar em casa mais rápido da covid-19, segundo um estudo feito no Reino Unido.

O estudo foi realizado por uma equipa de investigadores da Universidade de Oxford e conclui que duas inalações de budesonida, duas vezes ao dia, podem beneficiar muitas pessoas com mais de 50 anos, com sintomas ligeiros.

A investigação também mostra que o medicamento pode vir a reduzir os internamentos por covid-19.

De acordo com a BBC, o Serviço Nacional de Saúde britânico pode começar, a partir desta segunda-feira, a prescrever o medicamento a certos casos de covid-19.

Para além do paracetamol, existem poucas opções para tratar pessoas infetadas com o novo coronavírus que não estão hospitalizadas.

A budesonida, usada no tratamento de asma, rinite não infecciosa e pólipos nasais, atua nos pulmões, onde o coronavírus pode causar danos severos, e pode acelerar a recuperação de infetados, em casa.

Smith Collection/Gado

Em entrevista à emissora britânica, o diretor do SNS britânico, Stephen Powis, mostrou-se "muito satisfeito" com os resultados do ensaio e confirmou que os médicos podiam começar a prescrever o medicamento, após "uma decisão conjunta" com os pacientes.

O estudo envolveu mais de 1.700 pessoas com risco elevado de ter covid-19 na forma grave. Todos tinham mais de 50 anos, com problemas de saúde associados ou com mais de 65 anos, sem problemas de saúde.

Em fevereiro, foi realizado um ensaio inicial em menor escala, que também mostrou resultados promissores.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros