Coronavírus

"O mais sensato seria adiar" a 3.ª fase do desconfinamento. "Estamos num período delicado"

Entrevista SIC Notícias

Carlos Antunes, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, na Edição da Noite.

Saiba mais...

Carlos Antunes, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, realça que é necessário compensar o desconfinamento, através de medidas de proteção individual. Para isso, aconselha o reforço do uso de máscara, do distanciamento físico e das equipas de rastreio epidemiológico.

Aponta também para um reforço da testagem para "podermos desconfinar com mais segurança: "Houve um reforço no meio escolar, mas tirando isso, não há grande evidência".

"Estamos num período um bocado delicado porque (...) há sinais de resposta ao desconfinamento", afirma.

Na Edição da Noite, considera que é "imprudente" passarmos para a próxima fase de desconfinamento, uma vez que vai acelerar o processo de transmissibilidade: "Estamos a aumentar o número de contactos que uma pessoa tem diariamente".

"O mais sensato seria adiar, pelo menos, por uma semana, para vermos o impacto da segunda fase", defende.

O professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa explica ainda que o indicador de concelhos é um indicador com atraso: "Estamos a falar de uma situação que já ocorreu há, pelo menos, sete dias". Sugere que se utilize também a taxa de variação diária da incidência.

Carlos Antunes considera ainda que é "cada vez mais provável" uma quarta vaga da pandemia. No entanto, esclarece que não seria da mesma dimensão que a vaga de janeiro.

Veja também: