Coronavírus

Covid-19. Variante Delta responsável por 100% das infeções em Lisboa e Vale do Tejo e Algarve

Canva

Dados são avançados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge.

Saiba mais...

A variante Delta do vírus SARS-CoV-2 continua a ser a dominante em todas as regiões do país, sendo já responsável pela totalidade dos casos de infeções em Lisboa e Vale do Tejo e no Algarve.

Segundo o relatório do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) divulgado esta terça-feira, esta variante, associada à Índia e considerada mais transmissível, apresenta uma prevalência de 86,6% em Portugal, enquanto a Alpha, identificada inicialmente no Reino Unido, apenas era responsável por 10,2% das infeções na semana de 28 de junho a 04 de julho.

O INSA avança ainda que a variante Delta apresenta já uma prevalência de 100% nas regiões de Lisboa e Vale do Tejo e Algarve, de 88,2 no Norte, de 81,8 no Centro, de 95% no Alentejo, de 62,5% nos Açores e de 79,2% na Madeira.

"Entre outras variantes de interesse em circulação em Portugal, destaca-se a variante/linhagem B.1.621, detetada inicialmente na Colômbia, a qual tem apresentado uma frequência relativa à volta de 1% nas últimas semanas", refere o estudo sobre a diversidade genética do novo coronavírus em Portugal.

De acordo com o documento, esta "variante de interesse" apresenta várias mutações na proteína spike que são partilhadas com algumas "variantes de preocupação".

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica as variantes do vírus como de "preocupação" (VOC, na sigla em inglês) ou de "interesse" (VOI), tendo atribuído, no final de maio, a designação de letras do alfabeto grego para facilitar a compreensão.

Na categoria de VOC estão a Alpha, detetada inicialmente no Reino Unido em dezembro de 2020, a Beta, associada à África do Sul desde dezembro de 2020, a Gamma, identificada no Brasil em janeiro de 2021, e a Delta, originária da Índia e classificada como de preocupação em maio deste ano.

O relatório do INSA indica também que a frequência relativa das variantes Beta e Gamma, associadas inicialmente à África do Sul e ao Brasil, respetivamente, mantém-se baixa e sem tendência crescente, sendo inferior a 1% nas últimas amostragens a nível nacional.

Além disso, não foram detetados novos casos da variante Lambda, que apresenta circulação vincada em regiões do Peru e do Chile, avança o instituto.

No âmbito do estudo iniciado em abril de 2020 sobre diversidade genética do SARS-CoV-2, foram analisadas 11.386 sequências do genoma do novo coronavírus, obtidas de amostras colhidas em mais de 100 laboratórios, hospitais e instituições, representando 290 concelhos de Portugal.

Em junho, o instituto anunciou um reforço da vigilância das variantes do vírus que causa covid-19 em circulação em Portugal, através da sua monitorização em contínuo.

Esta nova estratégia permite uma melhor caracterização genética do SARS-CoV-2, uma vez que os dados serão analisados continuamente, deixando de existir intervalos de tempo entre análises, que eram dedicados, essencialmente, a estudos específicos de caracterização genética solicitados pela saúde pública.

Veja mais: