Guerra Rússia-Ucrânia

"Se estabelecerem restrições aos preços, simplesmente não forneceremos petróleo", ameaça a Rússia

"Se estabelecerem restrições aos preços, simplesmente não forneceremos petróleo", ameaça a Rússia
Anton Petrus

O vice-primeiro-ministro russo considera que a "interferência" no mercado da indústria petrolífera fará com que os consumidores europeus e norte-americanos paguem preços ainda mais caros pelo petróleo.

O Governo russo ameaçou esta quinta-feira cortar o fornecimento de petróleo aos países que decidirem limitar o preço do combustível.

"Se estabelecerem restrições aos preços, simplesmente não forneceremos petróleo e derivados a empresas ou países que impõem restrições", disse o vice-primeiro-ministro russo.

Alexander Novak considera que a "interferência" nos mecanismos de mercado da indústria petrolífera só a desestabilizará, contribuindo para que os consumidores europeus e norte-americanos, que já pagam caro pelo petróleo, paguem preços ainda mais elevados.

Na quarta-feira, a secretária do Tesouro norte-americana, Janet Yellen, mostrou-se otimista após uma reunião com o seu homólogo britânico, Nadim Zahawi, sobre os progressos das equipas de negociação do G7 para chegar a acordo sobre um limite para os preços do petróleo da Rússia.

Janet Yellen acredita que esta medida irá reduzir a renda de que Putin "precisa" para continuar a guerra na Ucrânia, reduzindo a pressão dos preços da energia sobre os cidadãos.

O vice-primeiro-ministro russo observou que certos países como China ou Índia, para onde a Rússia redirecionou parte das suas exportações após o embargo acordado pela União Europeia há alguns meses, não apoiam esta ideia de limitar os preços do petróleo.

Últimas Notícias