Guerra Rússia-Ucrânia

Ucrânia sanciona mais de 2.500 pessoas, incluindo filhas e alegada amante de Putin

Ucrânia sanciona mais de 2.500 pessoas, incluindo filhas e alegada amante de Putin
Sergei Ilyin

Foram ainda sancionadas mais de 1.300 entidades jurídicas russas ou que tenham colaborado com a Rússia.

A Ucrânia anunciou esta quinta-feira novas sanções contra políticos, empresários e figuras públicas russas, de entre as quais se destacam as filhas do Presidente russo, Vladimir Putin, e a sua alegada amante, a ex-ginasta Alina Kabaeva.

Os dois decretos, publicados na quarta-feira e noticiados pela agência Interfax esta quinta-feira, incluem restrições contra 2.507 pessoas, entre as quais as duas filhas de Putin, Katerina Tikhonova e Maria Putina, e 1.374 entidades jurídicas, tanto russas como estrangeiras que tenham colaborado com a Rússia, desde os setores do desporto à política ou até mesmo à música.

Algumas das personalidades que mais se destacam na lista são o patriarca Kirill, líder máximo da Igreja Ortodoxa da Rússia; a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova; o vice-chefe da Administração Civil e Militar de Kherson, Kirill Stremozov e Yevgueni Prigozhin, um oligarca russo conhecido como "o cozinheiro de Putin" pela sua proximidade ao Presidente russo e ligado às redes de trolls (editores que promovem tentativas deliberadas de perturbar as atividades de criadores de conteúdos na internet) russas.

Kiev também sancionou a mulher e a filha do porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, o dirigente ucraniano pró-russo Viktor Medvedchuk e diversos multimilionários, entre os quais o empresário Roman Abramovich.