Guerra Rússia-Ucrânia

Míssil russo atinge região de Odessa, no sul da Ucrânia

Míssil russo atinge região de Odessa, no sul da Ucrânia
STRINGER
A região de Odessa não era atingida há várias semanas.

Várias regiões da Ucrânia foram atingidas esta quinta-feira de manhã por mísseis russos. Segundo as autoridades ucranianas, há registo de pelo menos quatro mortos e foram afetados prédios residenciais, várias infraestruturas de energia e uma área industrial.

As primeiras notícias davam conta da queda de um míssil em Odessa e outro em Dnipro. Há semanas que estas duas zonas não eram atingidas por ataques russos.

Ao início da manhã, as sirenes de ataque aéreo soaram em toda a Ucrânia com receio de que Moscovo desencadeasse um novo ataque em larga escala ao território ucraniano. As autoridades apelaram à população que permanecesse em abrigos enquanto persistisse a ameaça de ataque.

Em Odessa uma infraestrutura local ficou afetada, informou o governador regional, Maksym Marchenko, na rede social Telegram, onde alertou também sobre a ameaça de um "enorme dilúvio de mísseis em todo o território da Ucrânia".

O governador da região leste de Dnipropetrovsk, Valentyn Reznichenko, confirmou que um grande incêndio eclodiu em Dnipro depois de os ataques na cidade atingirem um alvo industrial. Catorze pessoas ficaram feridas incluindo uma jovem de 15 anos. Para além da área industrial, foram ainda danificados dois alvos da infraestrutura local, onde pelo menos uma pessoa ficou ferida.

As quatro mortes foram registadas em Zaporíjia, após um ataque russo ter atingido um prédio residencial durante a madrugada. As equipas de resgate estavam a vasculhar os escombros em busca de outras vítimas, de acordo com Kyrylo Tymoshenko, um alto funcionário do gabinete presidencial ucraniano.

Em Kiev, a defesa antiaérea impediu, esta quinta-feira, que pelo menos dois mísseis cruzeiro e cinco drones de fabricação iraniana atingissem a capital.

No norte da Península da Crimeia, na cidade de Dzhankoy, também foram ouvidas várias explosões. Os meios de comunicação ucranianos citam, como fontes, moradores que gravaram vídeos na área e posteriormente publicaram nas redes sociais. A agência de notícias Ukrinform também divulgou fotos de uma coluna de fumo na cidade administrada pela Rússia.

A Ukrinform referiu ainda que os sistemas de defesa aérea foram ativados na manhã desta quinta-feira nesta área. Nas redes sociais, segundo o meio de comunicação ucraniano, é sugerido um possível ataque ao aeródromo militar localizado na periferia da cidade.

"As defesas antiaéreas russas provavelmente estão ativas em Dzhankoy", de acordo com as redes sociais, citadas pela Ukrinform, mas são informações que não puderam ser confirmadas de forma independente.

Com as forças do Kremlin no terreno a serem repelidas, a Rússia tem recorrido cada vez mais nas últimas semanas a ataques aéreos direcionados à infraestrutura de energia e outros alvos civis em várias partes da Ucrânia.

Os ataques desta quinta-feira ocorrem após um outro na terça-feira, que também resultou na queda de um míssil na Polónia e provocou duas mortes.

O chefe do gabinete presidencial da Ucrânia, Andriy Yermak, chamou os ataques a alvos de energia de "táticas ingénuas de perdedores covardes", numa publicação feita esta quinta-feira na rede social Telegram.

"A Ucrânia já resistiu a ataques extremamente difíceis do inimigo, que não levaram aos resultados que os covardes russos esperavam", escreveu Yermak, pedindo aos ucranianos que não ignorem as sirenes de ataque aéreo.

Últimas Notícias