Jogos Olímpicos

Tóquio 2020. Patrícia Mamona qualifica-se para a final do triplo salto

ANDREJ ISAKOVIC

Alcançou a marca de 14,54 metros, que assegura a qualificação direta. Evelise Veiga ficou pelo caminho.

A portuguesa Patrícia Mamona qualificou-se esta sexta-feira para a final da prova do triplo salto dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, com a marca de 14,54 metros, enquanto a estreante Evelise Veiga ficou pela qualificação.

Patrícia Mamona, de 32 anos, conseguiu a qualificação direta logo no primeiro salto, quando necessitava de igualar ou superar 14,40 metros ou ser uma das 12 melhores da qualificação para estar na final olímpica, no domingo, a partir das 20:15 locais (12:15 em Lisboa).

No Estádio Olímpico, Patrícia Mamona necessitou de efetuar apenas um salto, enquanto Evelise Veiga, de 25 anos, não foi além de 13,93, 13,63, e 13,57 metros, piorando o desempenho a cada salto que efetuava.

A campeã da Europa em pista coberta, em 2021, e ao ar livre, em 2016, tem como melhor resultado do ano os 14,66 metros obtidos no triunfo na etapa da Liga de Diamante do Mónaco, em 9 de julho, que lhe permitiram reforçar o recorde nacional, que já lhe pertencia.

A saltadora do Sporting cumpre a terceira presença olímpica, depois do sexto lugar no Rio2016 e do 13.º posto em Londres2012.
Evelise Veiga, que falhou a qualificação para o salto em comprimento, tem como recorde pessoal 14,32 metros, obtidos na Maia, em 01 de junho de 2019, quando assegurou a presença em Tóquio2020.

No Rio2016, Portugal teve pela primeira vez duas atletas na final do triplo salto, com Mamona e Susana Costa, que foi nona.

Hoje, Mamona só foi claramente superada pela campeã mundial, a venezuelana Yulimar Rojas, com um salto de 14,77 metros e quase 40 centímetros 'desperdiçados' na chamada. Ficaria ainda atrás, mas por muito pouco, da espanhola Ana Peleteiro (14,62) e de Thea Lafond, de Dominica (14,60), com o quarto melhor registo entre as 33 competidoras.

Para a final foi necessário saltar 14,21 metros ou mais, com a lista de 12 atletas apuradas a incluir todas as melhores da época e ainda a colombiana Caterine Ibarguen, a campeã olímpica do Rio2016, que se deve despedir das provas internacionais na final de domingo.

Os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 decorrem até 8 de agosto.

A SIC EM TÓQUIO

CONSULTE AQUI O MEDALHEIRO OLÍMPICO

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia