Operação Marquês

Saco azul do GES. Credores pedem devolução de verbas recebidas 

Jose Manuel Ribeiro

José Sócrates e Ricardo Salgado entre os visados.

Os credores da Espírito Santo International exigem a José Sócrates, Ricardo Salgado e mais seis acusados da Operação Marquês 73 milhões de pagamentos feitos através dos chamados sacos azuis do Grupo Espírito Santo.

Segundo o Expresso deste sábado, a ação cível deu entrada nos tribunais portugueses esta semana em nome da sociedade de topo do Grupo GES, que está em insolvência no Luxemburgo.

A ação exige a devolução de pagamentos considerados indevidos na investigação do Ministério Público e volta a colocar no banco dos réus o antigo primeiro-ministro José Sócrates; o ex-presidente do Grupo Espírito Santo e principal acusado na Operação Marquês, Ricardo Salgado; o amigo de infância de Sócrates e alegado testa-de-ferro, Carlos Santos Silva; o gestor do Grupo Lena Joaquim Barroca; o primo de Sócrates, José Paulo Pinto de Sousa; o empresário Helder Bataglia, que terá feito de intermediário entre Sócrates e Salgado; e os empresários e antigos responsáveis da PT, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, que já devolveu parte das verbas recebidas.

O processo contra estes oito arguidos chega à justiça enquanto a investigação da Operação Marquês permanece na fase de instrução, a pedido dos acusados. Falta o juiz de instrução criminal Ivo Rosa decidir se leva ou não os acusados a julgamento pelos crimes de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal.