Operação Marquês

Operação Marquês. Zeinal Bava tem 10 dias para devolver 6,7 milhões ao GES

O antigo CEO da PT foi ilibado de todos os crimes de que estava acusado.

O antigo homem forte da Portugal Telecom (PT), Zeinal Bava, foi ilibado de todos os crimes de que estava acusado no âmbito da Operação Marquês. Contudo, o juiz Ivo Rosa deu 10 dias ao antigo administrador da empresa para devolver 6,7 milhões de euros ao Grupo Espírito Santo (GES).

Em 2011, Zeinal Bava ainda estava em estado de graça: tinha sido eleito o melhor CEO da Europa na área das telecomunicações pelo segundo ano consecutivo. No Brasil, chamavam-lhe Messi do setor.

Quando rebentou a Operação Marquês, Bava foi acusado de colocar a PT ao serviço do GES. O Ministério Público afirma que o antigo homem forte da PT recebeu 25 milhões de euros em troca de favores a Ricardo Salgado e acusou-o de cinco crimes – corrupção, falsificação de documentos, fraude fiscal e branqueamento.

Ivo Rosa fez cair os crimes, mas obrigou Zeinal Bava a entregar à massa falida do GES 6,7 milhões de euros que faltam. O dinheiro terá de ser entregue no prazo de 10 dias a uma empresa do Espírito Santo Internacional que está em processo de insolvência no Luxemburgo.

Durante a fase do inquérito, Bava sempre disse que o dinheiro foi para comprar ações do BES e que era apenas o fiel depositário.

Em 2016, quatro anos depois de ter sido constituído arguido, Zeinal Bava entregou 18,5 milhões dos 25 milhões de euros. Os restantes 6,7 milhões foram apreendidos pelo tribunal e terá de ser devolvido ao que resta do GES.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros