Operação Marquês

Ricardo Salgado suspeito de ter desviado 11 milhões de euros do GES

Banqueiro foi pronunciado por três crimes de abuso de confiança.

O juiz Ivo Rosa considera que existem indícios suficientes para acreditar que Ricardo Salgado desviou quase 11 milhões de euros do Grupo Espirito Santo. Pela prática, o banqueiro foi pronunciado por três crimes de abuso de confiança, que podem levar até 8 anos de prisão.

Ricardo Salgado tinha sido acusado pelo Ministério Público de 18 crimes, a maioria relacionados com a suspeita de subornos a José Socrates. Segundo o MP, entre 2006 e 2010, o banqueiro pagou, ao então primeiro ministro 29 milhões de euros para em troca receber ajuda no controlo da PT, uma tese que o juiz Ivo Rosa transferiu para a esfera da fantasia.

E assim caíram 15 dos mais importantes crimes imputados a Ricardo Salgado e só sobraram três de abuso de confiança. Ivo Rosa encontrou no processo Marquês provas suficientes para acreditar que Salgado usou o poder que tinha para desviar verbas que pertenciam ao Grupo Espírito Santo. Terão sido quase 11 milhões de euros que pertenciam ao grupo, agora falido, e que terão sido usados para fins pessoais.

Ivo Rosa decidiu retirar o banqueiro do Operação Marquês no despacho de pronúncia e ordenou que seja julgado num processo autónomo.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia