Vacinar Portugal

Covid-19. "Estamos a vacinar o máximo que podemos", garante Gouveia e Melo

JOSÉ SENA GOULÃO / LUSA

Coordenador da task force assegura que não tem tido falta de recursos humanos.

O coordenador da 'task force' do plano da vacinação contra a covid-19 afirmou esta quarta-feira que a sua equipa está a vacinar "o máximo" que pode, colocando em risco o 'stock' de vacinas, "na esperança" de reforço na semana seguinte.

"Tenho ouvido algumas vezes na comunicação social que a solução é vacinar mais. Dá a sensação que nós, 'task force', o Ministério da Saúde, todos os envolvidos neste processo de alguma forma, não estamos a vacinar ao máximo que nós podemos. Eu queria deixar claro que nós estamos a vacinar o máximo que nós podemos", declarou Henrique Gouveia e Melo numa audição por videoconferência no parlamento.

Perante os deputados da Comissão Eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia de covid-19 e do processo de recuperação económica e social e da Comissão de Saúde, onde foi ouvido a pedido do PSD, afirmou ainda: "Nós temos 'stocks' muito limitados, arriscamos bastante não criando 'stocks', na esperança sempre que cheguem vacinas na semana seguinte".

Segundo o vice-almirante, o prazo médio de entrega das vacinas é "de um mês para a frente", mas às vezes esses prazos acabam por não ser cumpridos.

"Este processo é muito dinâmico e nós temos que ter um 'stock' mínimo de vacinas para garantir que se houver uma quebra no fornecimento não comprometemos as segundas doses das vacinas", explicou.

Recursos humanos

O coordenador da 'task force' assegurou ainda que não tem tido falta de recursos humanos, enaltecendo o contributo que as autarquias também têm dado nesta área.

Reconheceu que existem preocupações quando se aproximam as férias de como é que vão reagir os profissionais, uma vez que estão "muitos esgotados".

"No entanto, tenho promessas que se fará tudo para manter o ritmo e elevar positivamente", salientou o responsável, que deixou um elogio ao trabalho dos enfermeiros.

"Os enfermeiros têm sido uma classe sem mácula neste processo. Extraordinários, com uma dedicação absoluta e empenho absoluto, São eles que estão a vacinar são eles que realidade são a nossa frente de batalha", realçou.

Abertos novos centros e horários alargados

Em resposta a questões colocadas pelos deputados, o responsável reiterou que Portugal tem capacidade neste momento para 130 mil vacinas por dia.

Além de terem sido alargados os horários nos centros de vacinação, foram reforçadas algumas capacidades e abertos novos centros, um deles hoje (no Estádio Universitário em Lisboa), estando também a ser agilizadas modalidades de agendamento para facilitar o ritmo de vacinação.

"Se tivermos vacinas para mantermos esse ritmo, ele será mantido, e se for necessário será ultrapassado mais uma vez", assegurou o vice-almirante.

Vacinação de pessoas acamadas

Questionado sobre a vacinação no domicílio de pessoas que estão acamadas, Gouveia e Melo avançou que estarão vacinados entre 65% a 70% dos utentes.

"Nós estamos a vacinar o utente que está acamado e uma pessoa do agregado familiar para garantir que há pelo menos uma pessoa que tem alguma resistência, se houver um problema não vai adoecer deixando o utente desamparado", salientou.

Contudo, explicou, "é um processo muito lento" porque requer muitos recursos humanos e é "um processo de nicho", mas que está a ser feito e "parece que está a andar bem".

Veja também: