A vacinação em Portugal e no Mundo

Agência Europeia de Medicamentos aprova vacina da Moderna a partir dos 12 anos

David W Cerny

Efeitos da vacina foram estudados em 3.732 jovens dos 12 aos 17 anos.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovou, esta sexta-feira, a vacina da Moderna contra a covid-19 para crianças e jovens entre os 12 e os 17 anos.

Torna-se a segunda vacina para estas idades aprovada para utilização na Europa. Segue-se à aprovação do uso da vacina da Pfizer, em maio.

Segundo a EMA, "a utilização da vacina Spikevax em crianças dos 12 aos 17 anos será a mesma que em pessoas com 18 e mais anos".

O regulador europeu explica que os efeitos da vacina foram analisados em 3.732 jovens dos 12 aos 17 anos.

"O estudo mostrou que a Spikevax produziu anticorpos em jovens dos 12 aos 17 anos comparável à observada em adultos jovens dos 18 aos 25 anos", refere.

Costa quer vacinar menores antes do início das aulas, DGS ainda não validou decisão

Os jovens entre os 12 e os 17 anos podem ter a vacinação completa ainda antes do início do novo ano letivo. É, pelo menos, esse o desejo do primeiro-ministro. Mas, para já, o país atravessa um ritmo mais lento de vacinação, porque há menos doses a chegar.

O discurso no debate do Estado da Nação, esta quarta-feira, arrancou com um anúncio de António Costa:

"Tudo está preparado para que nos fins de semana entre 14 de agosto e 19 de setembro possam ser administradas as 2 doses da vacina as cerca de 570 mil crianças entre os 12 e 17 anos".

Vacinar abaixo dos 18 anos antes do início das aulas até pode ser a vontade do primeiro-ministro, mas ainda falta a palavra final da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Ainda assim, o tema não é consensual na comissão técnica que acompanha a vacinação contra a covid-19.

"Temos de dar liberdade à DGS para poder decidir da forma mais correta possível"

Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos, analisou a possibilidade de vacinação entre os 12 e os 17 anos na SIC Notícias.

"O que está a acontecer no momento é a avaliação do risco-benefício, porque nas pessoas mais novas, a gravidade da doença é menor. Ainda assim existem casos graves", começou por dizer.

Miguel Guimarães lembrou que a vacinação "não é obrigatória" em nenhuma faixa etária.

"Neste momento temos de dar alguma liberdade, em termos de pensamento, e alguma tranquilidade à Direção-Geral da Saúde para poder decidir da forma mais correta possível", afirmou.

"É fundamental que numa fase difícil, em que ainda não ganhámos o combate à covid-19, e em que estamos a ter sucesso no plano de vacinação, nós acreditemos na ciência. Acho que não devemos entrar em guerras mais ou menos fundamentalistas como me parece que este tema está a levar as pessoas. Deixemos os peritos e avaliar aquilo que já existe publicado", rematou.

Biden aguarda parecer para vacinar menores de 12 anos

A administração Biden aguarda a aprovação da Agência do Medicamento dos Estados Unidos para dar luz verde à vacinação dos menores de 12 anos. Os ensaios da Pfizer e da Moderna deverão ser conhecidos no outono.

Pediatras e investigadores de vários países pedem dados mais sólidos, que comprovem que os benefícios excedem potenciais riscos.

Já Angela Merkel afirma estar preocupada com o crescimento exponencial de novas infeções de covid-19 na Alemanha e faz novo apelo à vacinação.

Jens Spahn admitiu mesmo um aumento exponencial em outubro de até 800 casos de infeção por cada 100 mil habitantes.

Perante este potencial cenário, o ministro da Saúde alemão exortou a população a cumprir as regras conhecidas de prevenção e de proteção, nomeadamente o uso de máscara sempre que seja necessário.

Veja também:

  • A escola como uma gigantesca perda de tempo

    País

    Pode ser Eva. Fez um teste de Geografia e foi a única da turma a ter negativa. Dos seus olhos formosos e inexpressivos, num rosto negro como o touro do Herberto Helder, ruíram-lhe duas lágrimas. Mas daquelas que represam tanta água - tanta mágoa - que deixam cicatrizes aquosas. 43%.

    Opinião

    Rui Correia