Os números da Covid-19

Portugal com mais 9 mortes e 2.650 casos de covid-19 em 24 horas

Armando Franca

O último balanço da Direção-Geral da Saúde.

Portugal contabiliza esta terça-feira mais nove mortes e 2.650 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 17.173 mortes e 912.406 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando esta terça-feira ativos 45.199 casos, menos 849 em relação a ontem.

O boletim da DGS revela que estão internados 742 doentes, mais 13 do que no dia anterior. Nos cuidados intensivos estão 161 doentes, menos dois.

Os dados indicam ainda que mais 3.490 doentes foram dados como recuperados, fazendo subir para 850.034 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 76.360 contactos, mais 1.461 relativamente ao dia anterior.

TAXA DE INCIDÊNCIA E ÍNDICE DE TRANSMISSIBILIDADE

A taxa de incidência nacional subiu ontem de 272,0 para 315,6 casos de infeção por 100 000 habitantes. No continente aumentou de 280,5 para 325,2 casos por 100 000 habitantes.

O R(t) nacional desceu de 1,18 para 1,16 e no continente de 1,19 para 1,16.

Os dados dos indíces R(t) e da incidência são atualizados à segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira.

DADOS POR REGIÃO

As nove mortes das últimas 24 horas registaram-se nas regiões de Lisboa (seis), Alentejo (duas) e Norte (uma).

Segundo os dados da DGS, até agora, morreram em Portugal 17.173 pessoas vítimas de covid-19: 9.020 homens e 8.153 mulheres.

De acordo com a autoridade de saúde, Portugal tem agora 45.199 casos ativos (-849), tendo recuperado da infeção nas últimas 24 horas mais 3.490 pessoas, o que aumenta para 850.034 o número de recuperados desde o início da pandemia.

O número de contactos em vigilância está nos 76.360, na sequência das 1.461 pessoas que, nas últimas 24 horas, passaram a integrar este grupo.

A região de Lisboa e Vale do Tejo contabiliza agora 356.234 casos de infeção, seguida de perto pelo Norte (354.877), refere a DGS.

No Centro, já foram notificados 124.951 casos, no Alentejo 31.878, no Algarve 27.764, na Madeira 10.104 e nos Açores 6.598.
Lisboa e Vale do Tejo é a região com mais óbitos (7.314), seguindo-se o Norte (5.377), o Centro (3.032), o Alentejo (976), o Algarve (370), a Madeira (70) e os Açores (34).

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação disponibilizada no boletim da DGS.

40% das pessoas que tiveram covid-19 mantêm sintomas três meses após a infeção

As queixas mais relatadas são fadiga, distúrbios do sono e sintomas depressivos moderados a graves. São conclusões de um estudo feito no Hospital de S. João, no Porto.

Dos cerca de 7 mil doentes diagnosticados com covid-19 no Hospital de S. João, 3 mil aceitaram participar neste estudo. Foi durante a primeira e segunda vagas da pandemia quando ainda não havia vacinação. 40 % revelaram que continuaram com sintomas três meses após terem contraído a doença.

As mulheres têm um risco aumentado de condição pós-covid, bem como todos os grupos etários acima dos 30 anos. Os investigadores ainda não conseguem explicar o que provoca a persistência da sintomatologia.

Autoagendamento da vacinação já está disponível para maiores de 23 anos

O autoagendamento para a toma da vacina contra a covid-19 já está disponível para pessoas a partir dos 23 anos na plataforma da Direção-Geral da Saúde destinada a estas marcações.

A vacinação contra a covid-19 já arrancou há mais de uma semana para os maiores de 18 anos mas, nesta altura, a marcação online está disponível apenas para as pessoas com mais de 23 anos.

Um milhão de vacinas administradas na última semana em Portugal

Um milhão de vacinas contra a covid-19 foram administradas na passada semana, em Portugal. A task force, responsável pelo processo, fala num ritmo de vacinação elevado devido à grande disponibilidade de vacinas.

A decisão de antecipar para oito semanas o intervalo entre doses da vacina da AstraZeneca também contribuiu para o aumento.

Em comunicado, a task force deixa um agradecimento a todos os envolvidos no processo de vacinação. Diz que foi um esforço adicional para reforçar a segurança, numa altura em que se verifica um agravamento da pandemia no país.

Apelo à vacinação. Centro de São Domingos de Rana regista 600 faltas

As autoridades de saúde estão a renovar os apelos à população para que não faltem ao agendamento da vacina contra a covid-19. No centro de vacinação de São Domingos de Rana, no concelho de Cascais, foram registadas 600 faltas só este domingo.

“Não sabemos se é porque vêm aí as férias – há muitas pessoas a pedirem o adiamento das suas vacina, há muitas pessoas a recusar a vacina –, mas eu gostaria de apelar a que não o fizessem. É importantíssimo que a população esteja vacinada e que, a nível nacional, consigamos atingir uma percentagem significativa para que a gente consiga combater esta pandemia”, afirma Carla Aires, enfermeira no centro de vacinação.

Graça Freitas acredita que em setembro o país estará pronto para aliviar as restrições

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, acredita que a partir de setembro vai ser possível retirar as restrições e aprender a viver com a Covid-19, assumindo que nessa altura 70% da população elegível estará totalmente vacinada.

Graça Freitas revelou que, das 2.984.095 pessoas com esquema vacinal completo, 3.580 que adoeceram, o que corresponde a 0,1%.

Ultrapassados os 4 milhões de mortos no mundo

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 4.028.446 de mortos em todo o mundo, resultantes de mais de 186.368.360 de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço deste domingo recente feito pela agência France-Presse.

Os países com o maior número de mortos são os Estados Unidos, o Brasil, Índia, México, Rússia e França.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Entretanto surgiram novas variantes, nomeadamente as identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global