Mundo

ONU anuncia apoio às populações afetadas pelo ciclone Kenneth

Mike Hutchings

Cerca de 167.000 pessoas foram afetadas pela passagem do ciclone nas Comores e em Moçambique.

As Nações Unidas (ONU) vão disponibilizar 11,6 milhões de euros para apoio às populações afetadas pelo ciclone Kenneth nas Comores e em Moçambique, anunciou o responsável para os Assuntos Humanitários e coordenador da ajuda de emergência, Mark Lowcock.

"Nas Comores, o ciclone Kenneth vem juntar-se a altos níveis de vulnerabilidade e pobreza. Os fundos irão ajudar a reduzir o sofrimento dos afetados, incluindo a mitigação do impacto na segurança alimentar causada pela destruição e perda de terras agrícolas, gado e pesqueiros, a somar à destruição de casas", disse Mark Lowcock.

Nas Comores, pelo menos três pessoas morreram, 20 ficaram feridas e 1.000 desalojadas.

Os primeiros relatórios apontam para danos extensivos em várias ilhas, com muitas localidades inundadas e estradas cortadas.

Os últimos dados oficiais, numa altura em que ainda decorrem levantamentos em zonas remotas, indicam que a passagem do ciclone Kenneth no norte de Moçambique na noite de quarta-feira para quinta-feira (24 para 25 de abril) provocou cinco mortos, sendo que as inundações repentinas de domingo em Pemba provocaram três.

Há 166.084 pessoas afetadas e 40 centros de acolhimento a funcionar com 37.696 pessoas, 7.389 das quais em situação vulnerável (tais como grávidas e idosos).

O ciclone Kenneth passou no norte de Moçambique depois de em março a zona centro do país ter sido atingida pelo ciclone Idai, que afetou 1,5 milhões de pessoas e provocou 603 mortes.

"Esta nova alocação de fundos do CERF (Central Emergency Response Fund da ONU) irá ajudar os parceiros das organizações humanitárias a alargarem a resposta às necessidades dos mais vulneráveis depois da passagem do ciclone Kenneth", afirmou Lowcock.

"Contamos com a generosidade da comunidade internacional", acrescentou.

O CERF concentra as contribuições de doadores de todo o mundo num único fundo, que permite responder às necessidades das populações em situações de emergência.

Em média, mais de metade das ações humanitárias financiadas pelo CERF destinam-se a responder às necessidades de mulheres e raparigas.

Lusa.