Mundo

Tempestade de neve. Governo espanhol pede aos cidadãos para ficarem em casa

Ingrid Melander

A acumulação de neve em Madrid foi três vezes superior ao esperado.

O ministro dos Transportes espanhol, José Luís Ábalos, pediu este sábado aos cidadãos para que fiquem em casa e evitem deslocações, face à tempestade de neve que já provocou pelo menos três mortos naquele país.

O ministro fez o apelo durante uma conferência de imprensa em Madrid, junto do ministro do Interior, Fernando Grande-Marlaska, que também pediu à população para que não faça deslocações, a não ser as "inevitáveis", face à tempestade de neve, salientando que a situação vai complicar-se.

De acordo com o ministro, já foram mobilizadas 1.305 equipas de limpa-neves em Espanha, tendo sido gastos no espaço de dois dias 220 mil toneladas de produto para derreter neve, 30% do usado em todo o ano de 2020.

"É o dispositivo mais ambicioso da história", notou o ministro dos Transportes, admitindo que a magnitude da tempestade foi maior do que aquilo que era esperado.

José Luís Ábalos afirmou que a prioridade é desimpedir as vias em mais de 21 mil quilómetros da rede viária, algumas das quais continuam bloqueadas, especialmente em Madrid, Cuenca e Castellón, para além de que em várias zonas é recomendado o uso de correntes, mantendo-se as restrições à circulação de veículos pesados.

Segundo dados do Governo, as forças da Proteção Civil já resgataram ocupantes de cerca de 1.300 veículos na Comunidade de Madrid.

Desde 1971 que não se registavam em Espanha tempestades de neve desta dimensão, que colocaram hoje cinco regiões em alerta vermelho, refere a agência de notícias France Presse.

A acumulação de neve em Madrid foi três vezes superior ao esperado, atingindo uma espessura entre 50 e 60 centímetros na capital.

As escolas madrilenas vão manter-se encerradas na segunda e na terça-feira.

A tempestade de neve que na sexta-feira atingiu Espanha causou o caos no país, deixando centenas de automobilistas bloqueados, o Aeroporto de Madrid encerrado e o país paralisado.