Mundo

Ceuta. Governo proíbe manifestações pró e anti-imigração

Enviados SIC

A reportagem é dos enviados da SIC.

Em plena crise migratória, o Governo de Ceuta proibiu várias manifestações que estavam marcadas para segunda-feira, incluindo uma do Vox. O partido de extrema-direita já anunciou que vai recorrer à justiça. Entretanto, alheios às implicações políticas da sua presença, mais de um milhar de migrantes continuam a tentar entrar na Europa.

Vergado ao cansaço, é a dois metros da entrada do porto que Tarik descansa. Já nem se esconde. Há vários dias que a segurança deu por ele e sabe o que tem em mente: tentar chegar aos barcos e, a partir de lá, passar ao continente europeu. Na sexta feira partiu o braço a saltar o muro.

Nessa mesma noite, outro jovem marroquino tentou o mesmo e também caiu. Acabou por morrer horas depois. O risco é conhecido, mas quem já saltou fronteiras ou enfrentou o mar, não vai desistir agora. A maior parte dos que decidem saltar são marroquinos. Muitos já somam varias tentativas, que se percebem pelos vários entorses e escoriações

Os imigrantes não querem ficar em Ceuta e, apesar dos muitos voluntários que oferecem agua, comida e agasalhos a quem chegou, nem toda a Ceuta, os quer pela cidade. Começam a surgir registos de agressões e ameaças contra quem anda pelas ruas.

O receio de que o pior esteja por chegar, levou o governo de Ceuta a proibir varias manifestações pró e anti-imigração previstas para esta segunda-feira. Incluindo a do Vox. A decisão foi tomada com base na avaliação de risco feita policias. Coincidência ou não, as autoridades têm tentado dispersar os grupos de jovens indocumentados. Muitos acabam detidos.

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias