Mundo

Fuga no Nord Stream 2 já não está a libertar gás natural

Fuga no Nord Stream 2 já não está a libertar gás natural
Danish Defence Command / HANDOUT

A informação é avançada por um porta-voz da operadora que gere o gasoduto.

O Nord Stream 2 já não está a libertar gás natural através da fuga registada esta segunda-feira. A informação é avançada pelo porta-voz da operadora que faz a gestão do gasoduto e confirmada pela Agência de Energia Dinamarquesa.

“Isto significa uma de duas coisas: ou o tubo está completamente vazio ou a pressão do gás nos tubos e na água no exterior alcançou um equilíbrio”, explica Ulirch Lissek, porta-voz da operador.

Nas redes sociais, a Agência de Energia Dinamarquesa avançou que a pressão no tubo do Nord Stream 2 parece ter estabilizado.

Toneladas de metano foram libertadas no mar Báltico desde segunda-feira semana, quando foram identificadas quatro fugas nos tubos subaquáticos.

Quatro fugas de gás identificadas no Nord Stream

Foram identificadas quatro fugas de gás no gasoduto Nord Stream. Duas delas estão localizadas na zona económica exclusiva da Suécia, as outras duas na da Dinamarca

Embora nenhum dos oleodutos estivesse a ser usado no momento das explosões, estavam cheios de gás que estava a ser derramado para o Mar Báltico desde segunda-feira.

A quarta fuga detetada ocorreu no Nord Stream 2, próximo de um buraco maior encontrado no Nord Stream 1, segundo a guarda costeira sueca.

Fugas de gás misteriosas precedidas de explosões

Na segunda-feira, as autoridades dinamarquesas e suecas detetaram as fugas no gasoduto Nord Stream 1 - que a Rússia encerrou no início de setembro - e no gasoduto Nord Stream 2 - que nunca foi posto em funcionamento devido à falta de autorização da Alemanha, na sequência da invasão russa da Ucrânia, a 24 de fevereiro.

Apesar de não estarem operacionais, os dois gasodutos operados por um consórcio da gigante russa Gazprom estavam cheios de gás.

Suspeitas de sabotagem

Suécia, Dinamarca, Alemanha, União Europeia (UE) e NATO alegaram que as fugas do Nord Stream foram causadas por um "ato intencional" e "sabotagem".

A União Europeia prometeu uma resposta "firme" a qualquer interrupção intencional desta infraestrutura de energia.

Últimas Notícias
Mais Vistos