Guerra Rússia-Ucrânia

Dinamarca considera fugas nos gasodutos Nord Stream "ações deliberadas"

A primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen
A primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen
Emil Helms

Ministro da Defesa dinamarquês vai viajar para Bruxelas para se encontrar com o secretário-geral da NATO.

A primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, considerou esta terça-feira as fugas identificadas nos gasodutos submarinos Nord Stream no mar Báltico "ações deliberadas" por criminosos desconhecidos, juntando-se assim a outros líderes que apontaram para uma possível sabotagem.

Questionada se um incidente constituiu um ataque à Dinamarca, Frederiksen respondeu que não, porque as fugas aconteceram em águas internacionais.

A primeira explosão foi registada na segunda-feira a sudeste da ilha dinamarquesa de Bornholm, segundo o diretor da Rede Sísmica Nacional Sueca, Bjorn Lund. Um segundo rebentamento mais forte a nordeste da ilha naquela noite equivaleu a um sismo de magnitude 2,3 na escala de Richter.

As estações sísmicas na Dinamarca, Noruega e Finlândia também registaram as explosões. Frederiksen disse que "não há informações sobre quem poderia estar por trás" do sucedido.

Na quarta-feira, o ministro da Defesa dinamarquês, Morten Bødskov, vai viajar para Bruxelas para se encontrar com o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, para falar sobre o assunto.

Também o ministro do Petróleo e da Energia norueguês, Terje Aasland, juntou-se à torrente de suspeitas de sabotagem.

"O Governo norueguês está a acompanhar os eventos no mar Báltico, onde há fugas de gás do Nord Stream 1 e do Nord Stream 2. De acordo com informações recolhidas até agora, indica atos de sabotagem", observou Aasland.

Durante a tarde do hoje, o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, também considerou o incidente de "ato de sabotagem".

"A era do domínio russo no setor do gás está a chegar ao fim. Uma era marcada por chantagens, ameaças e roubos", declarou Morawiecki.

Por seu turno, os Estados Unidos declararam-se hoje "prontos" para ajudar os seus parceiros europeus a solucionar as fugas identificadas nos gasodutos submarinos Nord Stream no mar Báltico.

"Os nossos parceiros europeus estão a realizar uma investigação. Nós estamos prontos para apoiar os seus esforços", declarou hoje o Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, através de um porta-voz, a propósito das fugas detetadas nos gasodutos submarinos Nord Stream no mar Báltico.

Recusando-se a "especular" sobre as causas de tais fugas numa infraestrutura essencial para o abastecimento de gás russo, o porta-voz acrescentou:

"Isso ilustra a importância dos nossos esforços conjuntos para encontrar fornecimentos de gás alternativos para a Europa".

Um instituto sísmico sueco anunciou hoje que a Suécia detetou duas explosões submarinas, "muito provavelmente devido a detonações", perto dos locais onde foram detetadas fugas nos gasodutos que transportam gás russo para a Europa.

As autoridades dinamarquesas e suecas detetaram fugas no gasoduto Nord Stream 1, que a Rússia encerrou no início de setembro, e no gasoduto Nord Stream 2, que nunca foi posto em funcionamento, devido à falta de autorização da Alemanha, na sequência da invasão russa da Ucrânia, a 24 de fevereiro.

Apesar de não estarem operacionais, os dois gasodutos operados por um consórcio da gigante russa Gazprom estavam cheios de gás.

A Ucrânia acusou hoje a Rússia de responsabilidade pelas fugas nos gasodutos, denunciando um "ataque terrorista" contra a União Europeia.

"A fuga de gás em grande escala do Nord Stream 1 não é mais do que um ataque terrorista planeado pela Rússia e um ato de agressão contra a União Europeia", disse o conselheiro presidencial ucraniano Mykhailo Podoliak no Twitter, citado pela agência de notícias francesa AFP.

Últimas Notícias
Mais Vistos