Guerra Rússia-Ucrânia

Mais de 260 mil russos saíram do país e 2.300 manifestantes detidos

Loading...

A mobilização militar parcial foi anunciada há menos de uma semana.

Os homens russos continuam a tentar fugir do país, com medo de serem mobilizados. Menos de uma semana passada desde o anúncio da mobilização militar parcial feito por Vladimir Putin, há relatos que mais de 260.000 pessoas já tenham saído do país.

Só nas últimas 24 horas, mais de 10.000 pessoas terão cruzado esta fronteira georgiana. A maior parte foge da Rússia, com receio da mobilização. Muitos não acreditam que o alistamento seja obrigatório apenas para os reservistas, como foi anunciado pelo Kremlin.

Na tarde desta terça-feira, as autoridades da Ossétia do Norte anunciaram a instalação de um posto de recrutamento, com representantes militares mesmo na fronteira. Verificam se quem quer passar para o país vizinho, está ou não sujeitos ao serviço militar.

A medida é apenas aplicada aos habitantes desta mesma república, no sul da Rússia. Já na Cabárdia-Balcária, a república vizinha, têm sido registado protestos.

Um pouco de toda a Rússia, têm chegado imagens de protestos à mobilização. Os mais recentes dados das Nações Unidas dão conta da detenção de mais de 2.300 manifestantes. Estas são as primeiras manifestações a nível nacional organizadas por movimentos anti-guerra, desde o início da invasão russa à Ucrânia.

Apesar das fugas e dos protestos, a mobilização não deixa de se realizar. Milhares de homens já foram convocados para o exército. As autoridades russas fizeram questão de divulgar imagens de Sergei Shoigu, o ministro da Defesa, a inspecionar um campo de treino militar com recrutas recém-mobilizados.