Mundo

Nobel da Paz "é o reconhecimento da luta pela democracia e liberdade”, diz líder da oposição bielorrussa

Nobel da Paz "é o reconhecimento da luta pela democracia e liberdade”, diz líder da oposição bielorrussa
JOHANNA GERON

O premiado Ales Bialiatski está detido pela sua luta contra o regime de Alexander Lukashenko.

A atribuição do Nobel da Paz 2022 ao ativista detido Ales Bialiatski é o reconhecimento da luta dos bielorrussos contra o regime de Alexander Lukashenko, afirmou hoje a líder da oposição bielorrussa no exílio Svetlana Tikhanovskaia.

“O prémio é um reconhecimento importante para todos os bielorrussos que lutam pela liberdade e democracia", escreveu Svetlana Tikhanovskaia numa mensagem publicada na rede social Twitter, poucos minutos depois do anúncio do Comité Nobel Norueguês, em Oslo.

A par de Ales Bialiatski, o Comité atribuiu o Nobel da Paz 2022 às organizações de defesa dos direitos humanos Memorial, da Rússia, e Centro de Liberdades Civis, da Ucrânia.

Ales Bialiatski, 60 anos, atualmente preso na Bielorrússia, fundou a organização Viasna (Primavera) em 1996, para ajudar presos políticos e as suas famílias, na sequência da repressão do regime do Presidente Alexander Lukashenko.

O Centro para Liberdades Civis foi criado em Kiev, em 2007, para fazer avançar os direitos humanos e a democracia na Ucrânia.

Mulher de Ales Bialiatski “muito emocionada”

Outra das primeiras reações à distinção foi a da mulher de Ales Bialiatski, Natalia Pintchouk, que afirmou à agência France Presse (AFP), estar muito emocionada. Elogiou “o reconhecimento do trabalho de Ales, dos seus colaboradores e da sua organização”.

Últimas Notícias
Mais Vistos