País

Costa diz que não é possível conter a pandemia “sem perturbar a vidas das pessoas”

O primeiro-ministro diz que ninguém previu que a segunda vaga do novo coronavírus chegasse tão cedo.

António Costa garantiu, em entrevista à TVI, que é impossível controlar a pandemia sem “perturbar a vida das pessoas e a economia” e que o país, à semelhança do que aconteceu na Europa, não esperava uma segunda vaga tão cedo.

Segunda vaga era esperada para a passagem do outono-inverno

"Toda a gente a antecipava que viria na passagem do outono para o inverno, ninguém pensava que chegasse tão cedo. Isso é claro. Agora, se me perguntam se eu estou surpreendido com este número tão significativo de transmissões na comunidade, eu estou muito surpreendido", acentuou.

Já esta terça-feira, o primeiro-ministro rejeitou a ideia de que o Governo não preparou o país para a segunda vaga, defendendo no Twitter que há agora mais meios de atendimento e mais profissionais de saúde.

Há quem diga que não nos preparámos para o outono-inverno. Será verdade?
Em março a linha SNS24 podia atender até 10.000 telefonemas. Hoje tem capacidade para mais de 30.000. Em março a média diária de testes era 2.578. Hoje é 35.348.

— António Costa (@antoniocostapm) November 10, 2020

No que respeita à capacidade de testagem, o primeiro-ministro aponta que em março passado a média diária era de 2578, sendo hoje de 35348.

Nesta série de comparações, António Costa diz que "em março eram acompanhadas 11842 pessoas em vigilância ativa e hoje são 90088.

"Em março havia cerca duas mil camas que podiam ser afetas a doentes covid-19, mas hoje há mais de três mil e, com desmarcação de atividade programada, poderão chegar a 18 mil", salienta.

Tal como já havia afirmado na entrevista que concedeu na segunda-feira à noite à TVI, o líder do executivo, nestas mesmas mensagens que publicou no Twitter, defende em seguida que as camas de unidades de cuidados intensivos para doentes covid-19 passaram de 433 em março para 704 - e o número de camas poderá atingir 944 "com desmarcação de atividade programada".

No que respeita a ventiladores, ainda de acordo com os mesmos dados apresentados por António Costa, "em março havia 1142 e hoje há 1939".

"Em março criámos um regime excecional de contratação de profissionais de saúde. Hoje já contratámos 6883 profissionais de saúde ao abrigo deste regime e decidimos vincular ao Serviço Nacional de Saúde perto de metade", acrescenta nestas suas mensagens.

“Saia, mas em segurança”

Sobre as medidas de restrição, explica que é muito difícil dizer qual é o ponto de equilíbrio, pedindo aos portugueses que saiam de casa, mas em segurança.

Consulte aqui as novas medidas do estado de emergência e as suas exceções.

Veja também: