País

"Preocupa-me a forma como vão reagir". Filhos de Ihor Homeniúk ainda não sabem como o pai morreu

Exclusivo SIC

Veja aqui a entrevista exclusiva da viúva do ucraniano morto no aeroporto de Lisboa. 

O Governo anunciou esta quinta-feira que o Estado português vai pagar uma indemnização à família do cidadão ucraniano que foi morto em 12 de março em instalações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no aeroporto de Lisboa. Em entrevista exclusiva à SIC, a viúva de Ihor Homeniúk confessou que tem dúvidas de que venha a receber qualquer tipo de apoio do Estado português e pergunta onde é que esteve Marcelo Rebelo de Sousa durante todos estes meses.

"Se calhar, eles querem mostrar à sociedade que são muito bons. Mas, se isso se vai realizar ou não, eu não sei", confessa Oksana Homeniúk, não acreditando que vá receber a indemnização.

Para a viúva, voltar a confiar em Portugal vai exigir tempo e ações concretas: "Depois do que aconteceu, já não acredito muito nas pessoas e no que elas dizem."

A professora de 48 anos recebe um apoio de cerca de 100 euros do estado ucraniano. E é com a ajuda das horas extra que faz na escola onde trabalha que consegue sustentar os dois filhos, que ainda não sabem a verdade sobre a morte do pai.

"Penso em como contar-lhes isto e preocupa-me a forma como eles vão reagir."

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão